Uma visita ao passado

Mapa do Cemitério Vera Cruz, que será lançado na noite desta quinta-feira, propõe um novo roteiro turístico para a cidade

Por
· 3 min de leitura
De túmulos à estátuas, o cemitério carrega parte da história da cidadeDe túmulos à estátuas, o cemitério carrega parte da história da cidade
De túmulos à estátuas, o cemitério carrega parte da história da cidade

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

 

Há mais de cem anos, o Cemitério Vera Cruz começou a abrigar as personalidades que passaram pela cidade e que, antes, eram enterrados em um cemitério católico ou não católico. Pelos corredores do Cemitério, parte da história de Passo Fundo pode ser conhecida. São nomes, sobrenomes, famílias e mensagens que representam a história do município e que, agora, farão parte de um circuito sugerido por um Guia de Visitação lançado pelo Instituto Histórico de Passo Fundo e pelo Arquivo Histórico Regional. Lançado nesta quinta-feira, o Guia é o início da consolidação de uma visão diferente sobre o cemitério.
Por volta de 1835, menos de dez anos depois da chegada do Cabo Neves às terras que seriam o berço de Passo Fundo, surgiu o primeiro cemitério da cidade. No cruzamento das ruas Independência e General Netto, ao lado da primeira Igreja que a cidade acolheu, foram enterrados os primeiros responsáveis pelo nascimento e desenvolvimento do município. A construção deste cemitério, destinado somente a católicos, motivou a construção de um outro onde pudessem ser enterradas pessoas de crenças diferentes. Surgiu, então, em frente ao Quartel o primeiro cemitério para não católicos.

Mais tarde, com a Proclamação da República, em 1889, foi determinado o fim do catolicismo como religião obrigatória no país e, com isso, a necessidade de dois cemitérios também se extinguiu. Ainda, com a chegada do trem e a construção da Gare, em 1898, era impossível que o centro da cidade continuasse a abrigar um cemitério. A partir disso, o Coronel Gervásio Annes, chefe do Partido Republicano Rio-Grandense no município, desapropriou parte das terras do Barão e determinou que fossem transferidos os dois cemitérios para um único que seria considerado laico. Surgiu, então, em janeiro de 1902 o Cemitério Vera Cruz.

A proposta do Instituto Histórico de Passo Fundo, em parceria com o Arquivo Histórico Regional, é propor um novo olhar para o Cemitério Vera Cruz a partir da criação de um Guia de Visitação que apresenta um mapa de um percurso a ser seguido. “A ideia é que o Cemitério seja visto não com aquele olhar tradicional, de quem vai no cemitério para fazer uma visita a alguém que faleceu, mas com um olhar cultural e um olhar voltado para história”, explica Fernando Miranda, presidente o IHPF. Carregado de simbologia, mensagens e estátuas, o Cemitério Vera Cruz carrega, também, a história da cidade. “O cemitério é uma fonte histórica: os personagens que participaram da história da cidade e do estado estão enterrados ali e a própria arquitetura apresenta parte de épocas vivenciadas aqui”, comenta o presidente.

Durante todo o ano de 2014, cerca de quinze pessoas se envolveram na produção do mapa. A partir de visitas, catalogação de túmulos, escolha de personalidades e registros fotográficos, a produção tomou forma: com o objetivo de despertar escolas, cursos de arquitetura e de artes, o mapa se concentra na parte mais antiga do cemitério e apresenta personalidades que ajudaram na formação de Passo Fundo e, ainda, um grande número de estátuas que cortam parte da história da arte. A proposta é que, mais tarde, esse circuito inicial seja ampliado. Por agora, o objetivo é estimular a visita ao cemitério como uma visita cultural, histórica e turística. “A cidade já apresenta um turismo religioso, que é o caso da Maria Elizabeth. E isso já é comum em outras regiões. É um outro olhar que se abre sobre a cidade. Existem obras, no cemitério, que mereceriam, junto à Prefeitura, o tombamento desse trabalho que é artístico e cultural. Merecem um estudo mais aprofundado”, explica Fernando.

Ao todo foram impressos cinco mil exemplares do Guia de Visitação que serão distribuídos no próprio cemitério e, ainda, nas escolas, faculdades e percursos de ônibus. O lançamento oficial da produção acontece na noite desta quinta-feira, 30, na sede da Academia Passo-fundense de Letras, às 19h30, com a palestra da Secretária Municipal de Planejamento Ana Paula Wickert. “Vai dar para retirar muitas informações a partir do mapa e o cemitério é o retrato da própria sociedade. É, na verdade, uma cidade com vários bairros. É um museu a céu aberto”, conclui Fernando.

Gostou? Compartilhe