Projeto “Mães da Favela On" vai entregar mil chips telefônicos

Objetivo é proporcionar acesso a conteúdos educativos e sobre empreendedorismo

Por
· 2 min de leitura
Thais Trindade dos Anjos, de 10 anos, aproveita o recurso para acessar materiais escolares (Gerson Lopes/ ON)Thais Trindade dos Anjos, de 10 anos, aproveita o recurso para acessar materiais escolares (Gerson Lopes/ ON)
Thais Trindade dos Anjos, de 10 anos, aproveita o recurso para acessar materiais escolares (Gerson Lopes/ ON)

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Mil famílias passo-fundenses receberão chips telefônicos distribuídos através de um projeto da Central Única das Favelas (CUFA), Comunidade Door e Alô Social (em parceria com a TIM). O “Mães da Favela On” foi lançado nesta quinta-feira (24) com o objetivo de democratizar o acesso digital. Em todo o Brasil, o projeto distribuirá chips telefônicos para 500 mil mães já cadastradas no projeto criado durante a pandemia. 

Em Passo Fundo, a iniciativa já está beneficiando a família de Daiane Trindade, moradora do bairro Valinhos. "Foi uma benção", comenta. A ferramenta vem sendo utilizada pela filha de 10 anos para acessar o conteúdo escolar. A menina cursa o 5º ano de uma escola municipal.

“Antes do chip ela não conseguia fazer os trabalhos do colégio porque não tínhamos internet”, conta a mãe. A alternativa era buscar o material pedagógico na escola. Ela lembra que a filha ficava chateada por não poder acessar os conteúdos da mesma forma que os colegas. O chip recebido pela família fornece acesso principalmente aos conteúdos voltados à educação e ao empreendedorismo, com curadoria da UNESCO. 

Além disso, o chip permite ligações telefônicas. “Antes, às vezes, não tinha como fazer uma ligação”, relata Daiane. Ela usa o recurso para atividades rotineiras, como o agendamento de consultas médicas, importantes para o filho de 4 anos, que apresenta problema de asma, o que faz com que a mãe precise manter o contato com o posto de saúde. “Facilitou um monte”, resume Daiane.

Os chips telefônicos permitem uso ilimitado do WhatsApp, 24h por dia de ligações para todo o Brasil e para qualquer operadora, 1GB de Internet livre por mês e 24h de Internet controlada para acesso aos conteúdos organizados pela UNESCO. Eles são válidos por seis meses. “Eu espero que renove, que prolongue por mais uns meses, ficaria bom pra ela, principalmente que estuda”, ressaltou Daiane.

Objetivo

“A ideia é distribuir esse chip para as mães que têm dificuldade, no dia a dia, para colocar créditos para o filho estudar, acompanhar as aulas online”, destacou o coordenador da CUFA em Passo Fundo, Marcelo Godoy. Ele considera que o programa das escolas de conteúdos online é “fora da realidade” pela falta de acesso à internet e equipamentos de boa qualidade. “Essa é uma forma deles economizarem com isso e poder usar esse dinheiro para outras coisas, como melhorar a alimentação ou outro empreendimento”, explicou o coordenador.

Além de conteúdos educativos, as famílias podem acessar conteúdos relacionados a empreendedorismo. “Terão vários cursos e várias oportunidades. Para que eles possam adquirir a sua renda, ser autônomos e ter uma qualidade de vida melhor”, diz Marcelo.

Cadastro

As famílias que serão beneficiadas com os chips seguem sendo cadastradas. A ferramenta será destinada para mães de alunos que frequentavam oficinas da CUFA e dos bairros Integração, Valinhos ocupação 1, Valinhos ocupação 2 e Cruzeiro. Integrantes da Proteção e Atendimento Integral à Família (PAIF) também estão no projeto. “Estamos cadastrando algumas localidades, tem que ser algo gradativo para aos poucos dar tudo certo”, explicou Marcelo. Ele ressalta que a procura pelos chips é grande na cidade. 

Materiais

Além de materiais e plataformas online, as escolas municipais têm se organizado em regime de plantão, nas terças e quintas-feiras, para realizar a entrega das atividades escolares e materiais de apoio. As medidas, no entanto, não têm atingido a todos os alunos e causam preocupação sobre a evasão escolar. 

Gostou? Compartilhe