Primaves reabre espaço para visitação agendada

Atividade está conciliada com campanha virtual para arrecadar fundos para manutenção

Por
· 1 min de leitura
Área é destinada à manutenção e pesquisa da vida silvestre ameaçada em Passo Fundo (Foto: Divulgação/Primaves)Área é destinada à manutenção e pesquisa da vida silvestre ameaçada em Passo Fundo (Foto: Divulgação/Primaves)
Área é destinada à manutenção e pesquisa da vida silvestre ameaçada em Passo Fundo (Foto: Divulgação/Primaves)
Você prefere ouvir essa matéria?

Após quase sete meses a portas fechadas, o Centro de Acolhimento de Primatas e Aves (Primaves) deu início a um movimento gradual de reabertura do espaço natural para visitação guiada e agendada. A atividade está sendo desenvolvida de forma paralela à campanha virtual para arrecadação de fundos de custeio da manutenção do refúgio criado para abrigar animais silvestres no interior de Passo Fundo.

Aos sábados e domingos pelo turno da tarde, os grupos reduzidos de seis visitantes poderão percorrer as instalações do abrigo, que é lar para primatas como macacos-prego, bugios-ruivos, bugios-pretos e saguis; e aves, como araras, papagaios, caturritas e tucanos, conforme explicou o diretor-executivo da Convidas, Nestore Codenotti. “Por causa da pandemia, tivemos uma parte principal da nossa receita congelada”, lamentou. A área, localizada no Distrito Bela Vista, tornou-se alvo de solicitações provenientes de todo o país relacionadas a apreensões por crimes como caça, contrabando, maus tratos, posse irregular e a precariedades de custódia e de manutenção de parte de zoológicos e abrigos, além de ser destino dos animais capturados ou resgatados em casos de inundações ou incêndios.

Desde o primeiro acolhimento, no ano de 2004, os voluntários e colaboradores que atuam na conservação da vida silvestre viram o número de animais crescer cerca de 3,2%, segundo Codenotti. De 214, a população de animais subiu para 221 exemplares, entre 128 aves e 93 primatas. Parte da verba, que ficou estagnada durante o período de isolamento social, está sendo recuperada através de uma campanha de arrecadação virtual criada para garantir a sustentabilidade de funcionamento do local. Mensalmente, como afirmou o diretor-executivo, são necessários R$ 30 mil reais para garantir a alimentação dos animais, integralizar a folha salarial de estagiários, médicos veterinários e demais funcionários que atuam na reserva natural e investir em obras de segurança e ampliação do espaço de convivência para as espécies. “É uma campanha aberta. Pretendíamos encerrar no final do mês, mas vamos prorrogar por mais 15 dias para garantir, ao menos, 1/3 do valor”, assinalou. Até a segunda-feira (19), a mobilização já havia conseguido arrecadar 11% da meta.

As doações podem ser realizadas pela plataforma digital kickante ou em contato direto pelo telefone (54) 99622 4418.





Gostou? Compartilhe