ALISTAMENTO: Aproximadamente 1,5 mil jovens passam por inspeção em Passo Fundo

Entre 200 a 250 deles serão selecionados para o Serviço Militar Obrigatório em Alegrete

Por
· 2 min de leitura
Divulgação/ON Divulgação/ON
Divulgação/ON
Você prefere ouvir essa matéria?

Desde o dia 3 de novembro, os jovens de Passo Fundo que prestam o alistamento militar obrigatório estão sendo chamados para as inspeções, que vão até o dia 18. As atividades estão ocorrendo no Sest/Senat pelo período da manhã, a partir das 7h, e de tarde, às 13h. A data e horário marcado deve ser conferida de forma virtual, através do site do alistamento militar das Forças Armadas. É recomendada a chegada no local com 20 minutos de antecedência ao horário agendado.

Para a primeira fase, são esperados cerca de 1.5 mil jovens. Destes, aproximadamente metade deve ser liberado. Na bateria inicial, os jovens passam a conhecer um pouco mais da rotina e atividades realizadas no Exército, apresentadas a eles através de vídeos. Após, há os exames médicos e as entrevistas, que determinarão os desejos e aptidões de cada um para o serviço militar.

A metade dos jovens que permanece para a segunda fase passa por inspeções mais aprofundadas para a detecção de possíveis problemas. Essa seleção complementar tem previsão de realização no final de janeiro e início de fevereiro de 2021. Dos jovens presentes nesta etapa, aproximadamente 50% ficarão para trás e serão liberados. Os cerca de 200 a 250 jovens restantes são selecionados para o Serviço Militar Obrigatório e embarcam para Alegrete, local onde estão localizados os dois quartéis que os receberão. A maior parte dos selecionados é direcionada para o 6º Regimento de Cavalaria Blindada (6º RCB), enquanto 10% deles seguem para o 12º Batalhão de Engenharia. Ambos em Alegrete.


Experiência

Para o responsável pelo alistamento militar em Passo Fundo, Sargento Pinho, a experiência é como uma grande escola, em que diversos ensinamentos de vida são transmitidos. “A gente aprende muita coisa, desde espírito de corpo, dividir as coisas com os colegas, não deixar ninguém para trás, há uma grande cobrança com a educação”, comenta. De acordo com o sargento, o serviço militar também representa um início no ambiente profissional. “Hoje o soldado recruta já entra ganhando R$ 1.200, então a grande maioria dos jovens que vem aqui são desempregados e tem como primeiro emprego o Exército. Com isso, ele pode gostar e ingressar na carreira militar, que conta com várias opções”, atesta.


Desejos mistos

Para Luiz Felipe Dias, 18 anos, o ingresso nas Forças Armadas é um sonho de criança. “Meu sonho é ser policial. Tenho parentes que são brigadianos e acho bem interessante o trabalho de proteção que eles prestam”, conta. Se para Luiz Felipe a carreira militar é um desejo de longa data, para Vilson Neto, a aspiração nunca foi cogitada. “Não tinha nem um pouco o desejo de servir ao Exército, acho que exige muito e tem outras coisas que podem ser priorizadas, como cursar uma faculdade ou fazer um intercâmbio”, revela. Para o jovem de 17 anos, que foi dispensado das atividades militares, a imersão em outras culturas é um atrativo maior para seu futuro. “Gostaria de fazer um intercâmbio tanto voltado a estudo quanto a trabalho. Conforme tu vai trabalhando, vai convivendo com as pessoas do local e melhorando a linguagem”, acrescenta.

Gostou? Compartilhe