Com aumento nas hospitalizações, Passo Fundo retorna ao estágio de bandeira vermelha

Aumento no indicador que mede relação entre leitos de UTI livres e ocupados impactou todas as regiões

Por
· 2 min de leitura
Foto: Governo do Estado do Rio Grande do Sul/DivulgaçãoFoto: Governo do Estado do Rio Grande do Sul/Divulgação
Foto: Governo do Estado do Rio Grande do Sul/Divulgação
Você prefere ouvir essa matéria?

Com níveis de hospitalização por Covid-19 e de internações em leitos de UTI que não eram registrados no mínimo há dois meses, o mapa preliminar da 28ª semana do Distanciamento Controlado, divulgado nesta sexta-feira (13) pelo Governo do Estado, tem 11 regiões do Rio Grande do Sul com classificação de bandeira vermelha, o que representa alto risco epidemiológico.

Em Passo Fundo, na Macrorregião Norte, há 34 pessoas em UTI (antes, eram 29) e 49 ocupando leitos intensivos por Síndrome Respiratória Aguda Grave (antes, eram 37 pacientes). Na quinta-feira (12), a região reunia 60 pessoas infectadas pelo vírus em leitos clínicos. Há uma semana, eram 52. Com isso, os municípios foram devolvidos ao estágio de bandeira vermelha, que prevê medidas mais restritivas para evitar o contato infeccioso.

O número de internados em leitos clínicos chegou, na quinta-feira (12), a 914 pacientes, aumento de 22% na comparação com a semana anterior em todo o Estado. Houve elevação de 14% de infectados por coronavírus em UTI, o que provocou queda de 11% na disponibilidade de leitos para tratamento intensivo em toda a rede.

Com esse quadro, o indicador que mede a relação entre leitos de UTI livres e ocupados por Covid-19 no Estado recebeu bandeira vermelha, o que impactou as 21 regiões. As macrorregiões Metropolitana, Missioneira e Serra foram classificadas na bandeira preta (risco altíssimo) neste mesmo critério que mede a capacidade de atendimento dos casos que necessitam de tratamento intensivo.

O único indicador que não apresentou elevação foi o de óbitos, com redução de 22%. As maiores variações foram em internados em leitos clínicos confirmados com Covid-19 (aumento de 22%) e registros de hospitalização (crescimento de 17%).

Como consequência – e considerando outros indicadores específicos –, a 28ª rodada do mapa coloca em bandeira vermelha as regiões de Porto Alegre, Guaíba, Canoas, Novo Hamburgo, Caxias do Sul, Capão da Canoa, Santo Ângelo, Cruz Alta, Ijuí, Santa Rosa e Passo Fundo.

Três áreas da macrorregião Missioneira (Santo Ângelo, Cruz Alta e Ijuí) já estavam em bandeira vermelha na 27ª rodada. As regiões de Bagé e Erechim, que estavam em amarela, agora se somam às outras oito áreas do Estado em classificação de bandeira laranja.

Das 21 regiões Covid, apenas Uruguaiana, Bagé e Guaíba não aderiram ao sistema de cogestão do Distanciamento Controlado. As outras 18 adotam protocolos alternativos às bandeiras definidas pelo governo – Santa Maria, Capão da Canoa, Taquara, Novo Hamburgo, Canoas, Porto Alegre, Santo Ângelo, Cruz Alta, Ijuí, Santa Rosa, Palmeira das Missões, Erechim, Passo Fundo, Pelotas, Caxias do Sul, Cachoeira do Sul, Santa Cruz do Sul e Lajeado.

As regiões em cogestão classificadas em bandeira vermelha podem adotar regras de bandeira laranja, e as classificadas em laranja podem adotar protocolos de bandeira amarela, basta que enviem protocolos próprios adaptados à Secretaria de Articulação e Apoio aos Municípios (Saam).

Paralelamente aos pedidos de cogestão, o Estado aceitará pedidos de reconsideração à classificação de risco, que podem ser feitos via associação regional por meio de formulário eletrônico, no prazo máximo de 36 horas após a divulgação do mapa preliminar – até as 6h de domingo (15).

A adoção de protocolos alternativos não altera as cores do mapa definitivo, que será divulgado após análise dos recursos pelo Gabinete de Crise, na tarde de segunda-feira (16), por meio de notícia publicada no site do governo do Estado. A vigência das bandeiras da 28ª rodada começa à 0h de terça-feira (17) e se encerra às 23h59 de segunda-feira (23).


Gostou? Compartilhe