EDUCAÇÃO: “Precisamos criar uma pré-disposição para o retorno híbrido”, afirma secretário

Município está investindo em equipamentos de segurança para o retorno de 17,6 mil alunos na rede pública municipal

Por
· 2 min de leitura
Arquivo/PMPFArquivo/PMPF
Arquivo/PMPF
Você prefere ouvir essa matéria?

Com o retorno das aulas para a rede municipal de ensino agendado para o dia 1° de março, a Secretária Municipal de Educação está investindo na compra de equipamentos de proteção individual e materiais de higienização para um possível retorno presencial dos 17,6 mil educandos matriculados nos mais de 70 centros educacionais mantidos pela Prefeitura de Passo Fundo. Embora se descarte a volta de todos os alunos nos primeiros meses do ano, a pasta estuda dois cenários de atuação para garantir o início do período escolar, segundo afirmou o secretário Municipal de Educação, Adriano Canabarro Teixeira.

A modalidade a ser adotada, segundo explicou, está condicionada aos protocolos de segurança impostos pelo Modelo de Distanciamento Controlado do Governo Estadual. “Estaremos preparados tanto para o ensino remoto quanto para o híbrido, em um retorno com segurança e buscando a qualificação dos processos educativos das nossas escolas”, asseverou Teixeira. Com a iminência do início da imunização contra o coronavírus, no município, o retorno dos estudantes ao ambiente escolar se coloca no radar da comissão formada para planejar o ano letivo. “Se for possível, precisamos criar uma pré-disposição ao retorno híbrido e gradual se preocupando com a vida humana e qualificando a educação municipal”, avaliou o secretário.

Com os estudantes longe das escolas há quase um ano, Teixeira mencionou, ainda, que uma das preocupações dos educadores é a retomada dos laços entre os alunos e os centros educacionais, além de um diagnóstico do aprendizado construído ao longo do último ano de forma remota para “trabalhar em uma lógica de diagnóstico do retorno”. “Saber quais foram as aprendizagens dos nossos alunos e atuar em um plano de ação para diminuir as diferenças entre eles”, justificou.

Rede estadual retorna em março

O início do ano letivo para a rede estadual de ensino, previsto para começar em 8 de março e encerrar em 21 de dezembro, também continuará em modelo híbrido de forma escalonada, segundo a Secretaria Estadual de Educação (Seduc). No dia 8, conforme o calendário escolar, retornam os alunos dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º). No dia 11, os estudantes dos Anos Finais do Ensino Fundamental (6º ao 9º ano) e, por último, no dia 15, os alunos dos Ensinos Médio e Técnico.

O calendário letivo deste ano também prevê aulas aos sábados. As férias de inverno para professores e alunos acontecem entre os dias 28 de julho e 3 de agosto. O secretário estadual da Educação, Faisal Karam, afirmou que, em função da pandemia, e de possíveis decretos de restrição de atividades que poderão ocorrer em determinados municípios, eventuais ajustes no calendário ao longo do ano não estão descartados. “Este é o nosso calendário inicial. Caso tenhamos que realizar ajustes pelo bem-estar dos estudantes, nós iremos analisar e ajustar conforme a necessidade”, ponderou no início do mês de janeiro.

Pelo modelo híbrido de ensino, adotado ainda no ano passado, os 700 mil educandos gaúchos permanecem tendo aulas remotas através da plataforma virtual Google Sala de Aula. Conforme garantiu o Governo do Estado, 50 mil Chromebooks serão enviados aos docentes regentes de classe e coordenadores pedagógicos das 2,4 mil escolas da rede estadual de ensino até o início das aulas, em março, após o período de férias coletivas, em fevereiro.

O começo do ano letivo, que também marca o retorno das aulas presenciais para a rede pública nos 38 educandários estaduais em Passo Fundo, exige o cumprimento dos protocolos sanitários estabelecidos em portaria conjunta publicada pela Secretaria Estadual de Saúde e Seduc, no ano passado, quando o governo estadual investiu R$ 270 milhões para aprendizagem, capacitação, aquisição de equipamentos de proteção e materiais de desinfecção e contratação de professores e profissionais de apoio.

Os alunos, como prevê ainda o documento orientativo, terão aulas em revezamento com a divisão da turma que deve abrigar, no máximo, 50% dos estudantes na modalidade presencial. O modelo poderá ser realizado com os grupos alternando diariamente ou semanalmente.


Gostou? Compartilhe