Paralisação de caminhoneiros prejudica setor agrícola

Carga parada: Especialista classifica como catastrófica a situação caso a colheita da soja no Rio Grande do Sul se inicie com os transportes parados

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A paralisação dos caminhoneiros em todo o Brasil já causa reflexos na economia. No setor agrícola falta ração para alimentação de animais criados para abate e indústrias começam a sentir a falta de matéria prima. Além disso, a soja que está sendo colhida na região centro-oeste também está com dificuldade para ser escoada. A preocupação é ainda maior com a proximidade da colheita da soja no Rio Grande do Sul. Se a paralisação continuar os reflexos para a economia podem ser catastróficos conforme avalia o consultor da New Agro Commodities João Pedro Corazza.

O setor primário é um dos mais prejudicados nesse momento. Corazza destaca que já se pode observar falta de ração para granjas e integrados. Além disso, indústrias não possuem matéria prima para abate, ocasionando dispensa até mesmo de funcionários. Um exemplo é a BRF de Marau que ainda na quarta-feira que cancelou turnos de trabalho em decorrência dos bloqueios. No caso dos grãos gaúchos, a soja ainda não começou a ser colhida, portanto, o escoamento da oleaginosa ainda não está sendo prejudicado. “Hoje, os principais reflexos são sentidos no transporte do milho, farelo, óleo e rações. Como a paralisação é em âmbito nacional, a soja escoada do centro-oeste não está chegando ao seu destino, desabastecendo as indústrias locais”, acrescenta.

Às vésperas da colheita
Com a proximidade do início de uma colheita que pode ser recorde no Estado a situação fica ainda mais preocupante. “Números preliminares indicam algo na casa dos 15 milhões de toneladas. Com essa confirmação, seria catastrófico entrarmos na colheita com a falta de transporte. Além da precariedade no escoamento de nossa safra, resultante das péssimas condições de nossas estradas e somadas com os altos custos dos combustíveis, a falta de transporte limitará a capacidade de armazenamento, uma vez que a deficiência nesse segmento é muito grande. Vale salientar que a logística é um dos principais fatores da economia”, antecipa. Segundo ele as paralisações geram atrasos nas entregas, ocasionando falta de produtos no mercado consumidor final. O consultor destaca ainda que entre as principais culturas gaúchas, no momento, o maior medo é o escoamento da safra da oleaginosa. “Produtos derivados, como o farelo e o óleo também sofrem. Milho e trigo estão sendo escoados, praticamente, apenas para mercado interno, desabastecendo as indústrias que não contavam com essa paralisação e não conseguiram fazer estoques”, complementa.

Gostou? Compartilhe