Atualização e experiências sobre câncer são compartilhadas no HSVP

Por
· 2 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

Nos últimos anos vêm aumentando os casos de câncer não apenas no Rio Grande Sul, como no Brasil. Segundo dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA) as doenças cancerígenas são a segunda maior causa de morte em todo país, perdendo apenas para as cerebrovasculares. Para combater a doença, a informação, o diagnóstico precoce e o tratamento em centros especializados são fundamentais. O Hospital São Vicente de Paulo (HSVP) de Passo Fundo promoveu nesta terça-feira, 22 de dezembro, a mesa redonda “A epidemiologia do câncer no Brasil e no mundo”, apresentada pelo médico oncologista Dr. Carlos Henrique Escosteguy Barrios, diretor do Centro de Pesquisa em Oncologia do Hospital São Lucas da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC/RS).

Na ocasião, Barrios trouxe atualizações sobre pesquisa clínica, novos medicamentos e tecnologias. A respeito do aumento do número de casos de câncer, o pesquisador atribuiu a alguns fatores. “O primeiro que podemos citar é que a população está envelhecendo e com isso, a incidência de câncer aumenta nessa faixa etária. Outro ponto a se destacar é o fato de que a população está aumentando e isso também reflete no número de casos de câncer. E, finalmente, o fato que pode justificar é que estamos incorporando fatores de risco de sociedades mais desenvolvidas, e hábitos onde a incidência de câncer é maior, como obesidade, tabagismo e dieta inadequada”, enumera.

Rastreamento epidemiológico

Segundo o oncologista, a Vigilância Epidemiológica é uma ação especializada de grande relevância para a sociedade, pois tem como objetivos o monitoramento e a análise de possíveis mudanças no perfil das enfermidades, contribuindo também para a educação e o planejamento de ações na área da saúde. Quanto às neoplasias mais comuns Barrios afirma que o câncer de mama é o que mais acomete as mulheres e o de próstata em homens, isso sem considerar os tumores de pele, que são os mais comuns, mas que não alteram a sobrevida das pessoas. “O câncer de mama e o de próstata precisam estar dentro desse radar epidemiológico, o que é considerado ao se estabelecer um planejamento de saúde regional, institucional, de estado e de país. É necessário nessas situações um programa amplo de educação e informação da população, para que entendam que o diagnóstico precoce é fundamental para diminuir a incidência destas doenças em estágios avançados”, alerta o oncologista. Barrios reforça que o diagnóstico precoce é uma das melhores formas de combater o câncer. “É uma doença curável e que precisa ser reconhecido como tal, desde que seja diagnosticado precocemente. Por isso, a necessidade de informação e preparação das equipes de saúde”.

Evolução
Em relação ao tratamento do câncer, o pesquisador destaca que há evolução e resultados cada vez melhores em países desenvolvidos. Nos últimos cinco anos 45 novas drogas foram liberadas, o que se deve às pesquisas clínicas. “O único empecilho que temos é que a pesquisa clínica não está uniformemente distribuída e os novos medicamentos ou tecnologias não estão tão disponíveis como gostaríamos, principalmente, nos primeiros anos depois de introduzidas no mercado”, ressalta Barrios, concluindo ainda que o acesso aos medicamentos é um problema importante que precisa ser parte da discussão sobre o câncer.

Gostou? Compartilhe