Safra tem menor registro de pragas e doenças

Produtores devem estar atentos para a possibilidade de desenvolvimento de doenças caso as condições se tornem favoráveis

Por
· 2 min de leitura
Você prefere ouvir essa matéria?

As lavouras de inverno têm sofrido ataques menos intensos de pragas e doenças em relação a outros anos. Favorecidas pelo clima, entre outros fatores, e ao manejo feito pelos produtores as plantas apresentam boa sanidade, apesar dos danos causados por alguns problemas com geadas, por exemplo. Daqui pra frente, produtores devem estar atentos a sinais de doenças que podem representar perdas caso se instalem nas culturas.

De acordo com o Informativo Conjuntural elaborado pela Emater Regional de Passo Fundo, o trigo encontra-se na fase de elongação com bom aspecto das plantas e sanidade da área foliar, benefício da baixa umidade e escassez de chuvas. Apresenta baixa incidência de manchas fúngicas. No entanto, a cultura necessita do retorno das chuvas para seu desenvolvimento normal. Os produtores estão realizando aplicação de fungicidas.

A canola está em fase de floração, mas foi bastante prejudicada pelas geadas no mês de julho que provocaram a morte de plantas e surgimento de rebrotes deixando as lavouras com stand desuniforme. Ainda conforme o informativo, a falta de chuvas vem prejudicando o desenvolvimento normal da cultura e aparecimento de insetos (traça das crucíferas). Os tratos culturais continuam sendo realizados.

A cevada está em fase de emborrachamento e emissão de espigas. As plantas estão com bom aspecto e a área foliar com baixa incidência de doenças fúngicas. Os produtores continuam realizando aplicação de fungicidas para manter a boa sanidade da cultura. O período reprodutivo em que se encontram as lavouras necessita do retorno de chuvas para manter o potencial produtivo da cultura.

O doutor em engenharia agrícola e técnico da Emater Elder Dal Pra explica que nesta safra, nas lavouras em que atua, foi identificada a baixa incidência de pragas. De acordo com ele, cada espécie tem peculiaridades no seu desenvolvimento e vários fatores influenciam no aumento ou diminuição das populações. Mesmo assim, os produtores tem mantido a aplicação de defensivos de forma preventiva a fim de evitar danos às lavouras.  Com o avanço do desenvolvimento da cevada, trigo e aveia, Dal Pra explica que pode ocorrer a presença das lagartas o exige dos produtores um pouco mais de atenção para o controle.

Para o agrônomo, o principal cuidado neste período está relacionado à possibilidade de ocorrência de doenças. “Temos propensão a giberela e brusone que atacam os grãos e são de difícil controle. Então essas doenças devem ser o ponto chave de cuidado. As pragas ocorrem em áreas mais restritas, mas as doenças, se o clima for favorável, com chuvas constantes, muita umidade e temperatura mais elevada, têm maior propensão a ocorrerem”, reforça. Da mesma forma que para as pragas, os agricultores estão manejando as lavouras preventivamente para evitar danos caso as condições de clima mudem.

Gostou? Compartilhe