Coralistas ensaiam desde agosto para a Cantata Natalina

Grupo é formado por voluntários adultos e estudantes da rede municipal de ensino

Por
· 1 min de leitura
Estudantes, assim como adultos voluntários ensaiam para participar do eventoEstudantes, assim como adultos voluntários ensaiam para participar do evento
Estudantes, assim como adultos voluntários ensaiam para participar do evento
Você prefere ouvir essa matéria?

Desde agosto, os versos que, há mais de uma década, convidam os espectadores do evento a "cantar a alegria de viver” estão sendo entoados por educandos e voluntários que emprestam suas vozes aos corais que protagonizam a Cantata Natalina. Os ensaios acontecem semanalmente para o espetáculo que terá as seguintes apresentações: em Passo Fundo, devem ocorrer em 23 de novembro, 01º e 07 de dezembro.

 

O repertório - que conduzirá o público a uma reflexão acerca da “Generosidade” – será reproduzido por estudantes do Colégio Notre Dame e da Escola Notre Dame Menino Jesus, que vêm aprimorando suas habilidades vocais sob a orientação da docente Larissa Padua. É também sob sua regência que sopranos, contraltos, tenores e baixos são aperfeiçoados entre aqueles que voluntariamente compõem o coral adulto, bem como entre os cerca de cem estudantes da rede pública que somarão seus talentos ao grupo.

 

São crianças e adolescentes matriculados nas escolas municipais de Ensino Fundamental Arlindo Luís Osório, Cohab Secchi, Fredolino Chimango, Notre Dame, São Luís Gonzaga e Urbano Ribas que, além de familiarizarem-se com as canções em encontros realizados nas próprias instituições de ensino, em turno inverso ao das aulas e com a orientação dos seus professores de musicalização, reúnem-se em ensaios supervisionados pela organização do evento.

 

O envolvimento com o espetáculo inicia muito antes. Afinal, como evidencia o coordenador artístico da Cantata Natalina, Vanderlan Lima, o tema que inspira a escolha pelas canções foi idealizado ainda em 2018 e inspirado no contexto social em que estamos inseridos, pautado, cada vez mais, no individualismo. “Ao mesmo tempo em que as pessoas se voltam para si, há a necessidade de obedecer a um padrão. Com isso, perde-se a característica do indivíduo inserido no coletivo”, salienta, indicando que, ao agir dessa forma, as pessoas vão se tornando mais frias e insensíveis - o que demonstra a importância de fortalecer a generosidade.

Gostou? Compartilhe