Voluntários entregam mais de 15 mil máscaras

Por
· 1 min de leitura
Divulgação/ON Divulgação/ON
Divulgação/ON
Você prefere ouvir essa matéria?

Os voluntários que atuam na confecção de máscaras descartáveis nos laboratórios do curso de Design de Moda da Universidade de Passo Fundo (UPF) chegaram, nesta semana, à marca de 15 mil unidades produzidas. Todo esse material é entregue à Secretaria Municipal de Saúde que faz a gestão da entrega entre hospitais e unidades de saúde do município.

Conforme a professora Dulcicléia Antunes, que coordena a ação dos voluntários, agora os voluntários estão focados na produção de aventais descartáveis. "São peças um pouco mais demoradas e há uma necessidade maior destes itens agora", pontua. Sobre a produção, esclarece que o trabalho deve continuar. "Enquanto tiver demanda, e ela existe e nossa ajuda está sendo importante, e os voluntárias puderem atuar, o curso de Design de Moda continuará ofertando o laboratório e o nosso trabalho no que for possível", completa.

Unidades da Fase produziram 7 mil máscaras em um mês

Em abril, a Fundação de Atendimento Sócio-Educativo (Fase) iniciou o projeto de produção de máscaras de tecido e TNT para prevenção ao contágio da Covid-19. Diversas unidades de internação e semiliberdade participaram da iniciativa – que contou com a participação de funcionários, adolescentes e de um grupo de voluntários –, produzindo cerca de 7 mil máscaras.

Os equipamentos são usados pelos próprios trabalhadores, socioeducandos e também por familiares. Alguns foram doados a órgãos públicos, como a Fundação de Proteção Especial (FPE), a Fundação de Assistência Social e Cidadania (Fasc) e o Departamento de Direitos Humanos e Cidadania (DDHC), da Secretaria Estadual de Justiça, Cidadania e Direitos Humanos (SJCDH).

A Fase, neste período, também recebeu doações de máscaras e de tecidos para a produção das peças. O presidente da instituição, Antônio Carlos Rocha Almeida, afirmou que a união e a proteção à vida são os maiores bens a serem cultivados na pandemia. “Esse projeto envolveu diferentes níveis sociais, do jovem em cumprimento de medida ao juizado, o que demonstra que podemos trabalhar em harmonia respeitando uns aos outros. A preservação da vida é nossa prioridade número um”, disse.

Gostou? Compartilhe