Realização dos festejos farroupilhas ainda é uma incógnita

Acendimento da Chama Crioula já foi transferida para 2021

Por
· 2 min de leitura
Divulgação/ON Divulgação/ON
Divulgação/ON
Você prefere ouvir essa matéria?

O evento de Acendimento da Chama Crioula, que anualmente marca a abertura dos Festejos Farroupilhas no Rio Grande do Sul, foi transferido pelo Movimento Tradicionalista Gaúcho (MTG) para o próximo ano. O motivo é a pandemia da Covid-19 e os respectivos protocolos de saúde pública estabelecidos pelas autoridades sanitárias, que suspenderam todas as atividades que gerem aglomeração. A definição aconteceu em reunião online, realizada no dia 9 de junho, pela presidente do MTG, Gilda Galeazzi, com os coordenadores das 30 Regiões Tradicionalistas. O clima de incertezas cerca também a Semana Farroupilha, cuja programação está prevista para acontecer de 14 a 20 de setembro deste ano.

A decisão de transferência do Acendimento da Chama Crioula ainda deve ser referendada em reunião do Conselho Diretor do MTG. Para 2021, fica mantida a cidade de Canguçu, na 21ª Região Tradicionalista, como local do evento e a portaria 39/2014, que define os locais de acendimento da Chama Crioula para os próximos 30 anos, fica estendida para 2045. Segundo Galeazi, o local, o acendimento e a distribuição da Chama Crioula em 2020 devem ficar a critério de cada uma das 30 Regiões Tradicionalistas, dentro de suas áreas de atuação, e em conformidade com os decretos de saúde pública estaduais e municipais.

Semana Farroupilha

Na última semana, o Movimento Tradicionalista Gaúcho anunciou também o tema e a patrona dos Festejos Farroupilhas deste ano, embora a realização do evento ainda seja uma incógnita.  A homenageada é a ex-primeira prenda do estado, Alessandra Carvalho da Motta, e o tema, é "Gaúchos Sem Fronteiras", sobre os desgarrados do Rio Grande que foram viver em outros estados e países. De acordo com o presidente da Comissão Estadual dos Festejos Farroupilhas e vice-presidente de Administração e Finanças do MTG, César Oliveira, "a simbologia e importância da data terá sua continuidade e possíveis alternativas ou formatos no futuro ainda estão na dependência do decorrer do tempo". Conforme César, o anúncio não significa que a festa presencial irá acontecer. Uma das possibilidades, inclusive, é que sejam realizadas comemorações virtuais, pela internet.

Segundo a presidente do MTG, no início deste mês, a entidade chegou a entregar ao Governo do Estado um protocolo tratando da possibilidade de retomada de algumas atividades tradicionalistas. Na data, todas regiões do modelo de distanciamento social controlado estavam classificadas com bandeiras amarelas ou laranjas, que preveem protocolos menos rígidos para o funcionamento das atividades econômicas. No entanto, no último fim de semana, quatro regiões passaram a ser classificadas com a bandeira vermelha, de alto risco para contágio por Covid-19, e tiveram as atividades não-essenciais vedadas. “Não temos como definir e tratar todas as entidades como iguais, sendo que cada município está encarando uma realidade diferente. Dependemos do governo e dos municípios”, explica.

A única previsão mais concreta, ainda de acordo com Galeazzi, diz respeito aos ensaios dos grupos de dança, que devem ser retomados quando o Estado autorizar a volta às aulas. Desde que a situação de pandemia se instalou no país e as regras de distanciamento passaram a valer como forma de conter a disseminação do vírus, os Centros de Tradições Gaúchas (CTGs) estão com os espaços fechados e as atividades paralisadas. Para tentar obter renda e minimizar os prejuízos financeiros, os centros têm organizado ações de solidariedade e venda de alimentos no formato “pague e leve”.

Gostou? Compartilhe