Bezerra de Menezes será beneficiado com projeto social

O Troco Solidário, desenvolvido pela rede de Farmácias São João, visa arrecadar recursos financeiros para ajudar hospitais que passam por dificuldades

Escrito por
,
em
Cerimônia de lançamento ocorreu na manhã de ontem (13), no HPBM

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Após receber o apoio dos municípios da região, o Hospital Psiquiátrico Bezerra de Menezes (HPBM) contará agora com auxílio da comunidade. Um projeto social desenvolvido pela rede de farmácias São João vai arrecadar recursos financeiros para a instituição. O Troco Solidário foi lançado na manhã de ontem (13), no auditório do HPBM.


Durante a cerimônia, o diretor-presidente da São João, Pedro Henrique Brair, explicou como o projeto vai funcionar. Após efetuar alguma compra em uma das lojas do grupo São João, o cliente terá a opção de doar o troco. O dinheiro cairá direto em uma conta, que posteriormente será repassado à instituição. Todo o valor doado será contabilizado no sistema e aparecerá na nota fiscal do cliente, junto com o nome da entidade beneficiada.


O HPBM será a primeira instituição beneficiada, mas a rede pretende repassar recursos para outros hospitais também. A entrega dos recursos será feita a cada seis meses. A cada edição, uma nova instituição será favorecida. A rede disponibiliza um endereço de e-mail (trocosolidario@farmaciassaojoao.com.br) para instituições hospitalares que tem interesse em participar como beneficiárias do projeto. 

“O Bezerra de Menezes é um dos principais hospitais psiquiátricos do Estado. Também é nosso papel, como cidadãos e empresários, ajudá-lo a sair dessa crise financeira. Por isso, escolhemos a instituição como a primeira beneficiada do projeto. Temos muito orgulho em poder contribuir para a recuperação do HPBM”, declarou Brair.


Dificuldade da instituição
O Bezerra de Menezes vinha acumulando déficit que já ultrapassaram R$ 2 bilhões nos últimos quatro anos. As dificuldades financeiras são decorrência de uma política federal de desospitalização e fechamento das instituições psiquiátricas. O diretor técnico da instituição, Rogério Riffel, pontuou que havia uma legislação que dificultava o repasse de recursos às instituições psiquiátricas, mas que foi revisada recentemente.


“O Hospital passa a ser incluído dentro do sistema de tratamento de saúde mental. Agora temos boas perspectivas de investimentos e possibilidade de melhora. A gente sabe que todo o processo de investimento ele demora. Na situação em que se encontrávamos, nós teríamos que fechar as portas porque não havia outra forma”, argumentou.


Diante da dificuldade financeira da instituição, o projeto da São João representa o apoio da comunidade, conforme Riffel. “Essa iniciativa da farmácia São João simboliza o que toda comunidade está fazendo. Os municípios se mobilizaram a favor do hospital, todos reconhecem a importância dessa estrutura. Mesmo com todas as falhas e dificuldades que a gente tem, nós prestamos um serviço precioso à sociedade. Essas pessoas são atendidas de forma humana e tem acesso ao tratamento, que muitas vezes, fora daqui não encontram”, enfatizou.


Outros auxílios
Recentemente, um acordo firmado entre a Prefeitura de Passo Fundo e o Governo do Estado garantiu a manutenção dos serviços prestados pelo Bezerra de Menezes até o fim do ano. O Estado, que devia a Passo Fundo mais de $ 6 milhões em fevereiro deste ano, se comprometeu a pagar R$ 2 milhões dessa dívida. Do valor, R$ 60 mil será destinado até o fim de 2018, mensalmente, ao Hospital da Cidade, para garantir o atendimento no hospital psiquiátrico.


Com mais de mil internações em 2017, o HPBM é referência em atendimento psiquiátrico para 90 municípios. Em todo o RS, há outras sete instituições com 50 ou mais leitos psiquiátricos do SUS. Três deles em Porto Alegre, um em Rio Grande, Viamão, Pelotas e Caxias. Mais de 40% das internações na instituição são de municípios vizinhos.


Em virtude da demanda regional, no começo de março, membros do HC e do Bezerra de Menezes se reuniram com integrantes da Associação de Municípios do Planalto (AMPLA) para expor as dificuldades enfrentadas pela instituição. Os municípios anunciaram que apoiarão financeiramente a instituição conforme a demanda de pacientes encaminhados. Integram a Associação de Municípios do Planalto os municípios de Camargo, Casca, Ciríaco, Coxilha, David Canabarro, Ernestina, Gentil, Marau, Mato Castelhano, Muliterno, Nova Alvorada, Passo Fundo, Santo Antônio do Palma, São Domingos do Sul, Vanini e Vila Maria.

Gostou? Compartilhe