Campanha de vacinação acontece em abril

Início está previsto para o dia 16, mas pode atrasar em até dez dias

Escrito por
,
em
Passo Fundo pretende atingir 90% da meta

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A campanha nacional contra a gripe (vírus Influenza) começa neste mês de abril. Inicialmente, o período previsto para vacinação acontece entre 16 de abril e 25 de maio. No entanto, segundo informações, o inicio pode atrasar cerca de sete ou dez dias, devido ao transporte das vacinas. A maior mobilização contra a gripe está programada para 05 de maio, chamado de dia 'D'.

 

Em Passo Fundo, ideia é descentralizar a vacinação neste ano. A prevenção estará disponível em todas as 24 Unidades de Saúde que contam com uma sala de vacinação. “Justamente para facilitar o acesso da população”, explicou a coordenadora da vigilância em saúde da cidade, Marisa Zanatta. No centro, a vacinação não será realizada no central de vacinas por ser um local com pouco espaço. “Não temos como garantir que ela irá manter a temperatura ideal, que ela vai ser considerada da forma que ela precisa”, completou.

 

A vacina é oferecida de forma gratuita para pessoas acima de 60 anos, crianças na faixa etária de cinco meses até seis anos, gestantes, mulheres até 45 dias após o parto, trabalhadores de saúde, professores de escolas públicas e privadas, indígenas, adolescentes e jovens de 12 até 21 anos de idade que cumprem medidas socioeducativas, população privada da liberdade, funcionários do sistema prisional e grupos de portadores de doenças crônicas não transmissíveis outras condições clínicas especiais – para esta última, necessário apresentar atestado médico no dia. Os 63 mil habitantes vacinados no ano passado precisam realizar a prevenção novamente. A única contraindicação acontece para pessoas com histórico de reação anafilaxia prévia em doses anteriores, assim como qualquer componente da vacina ou alergia a derivados de ovo de galinha.

 

“É aplicada em pessoas doentes, justamente por terem a imunidade baixa. Idosos e gestantes da mesma forma. É feito todo um estudo no Ministério de Saúde e chega a essa indicativo justamente pelos riscos que eles podem sofrer. Presidiários ficam fechados, professores expostos. Todos eles tem justificativa”, relatou a coordenadora da vigilância sobre a seleção dos grupos. A meta do Ministério Público é vacinar 90% destas classes. Após atingir o objetivo, vacinação é liberada ao restante da população, que até lá, pode comprar em clínicas particulares.

Gostou? Compartilhe