DNIT vai vistoriar situação da beira-trilho

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O coordenador geral de patrimônio ferroviário do DNIT, Luciano Sacramento, estará em Passo Fundo, nesta ter-feira, acompanhado de um engenheiro, para avaliar as condições de moradia na beira-trilho. A presença deles foi requisitada pelo vereador Rudimar dos Santos, o Rudi, durante visita a Brasilia, na semana passada.


Há cerca de três meses, o vereador havia encaminhado o pedido ao órgão, juntamente com os estudos realizados pela Universidade de Passo Fundo em parceria com a Comissão dos Direitos Humanos sobre o tema.


Com chegada prevista para às 11h, a agenda inclui visitas pelos bairros cortados pela rede ferroviária: José Alexandre Zachia, Victor Issler, Vila Fátima, entre outros. "Eles vão conhecer de perto a realidade destas pessoas. Se certificar da situação, e decidir se elas têm ou não condições de permanecerem nestes locais. Até porque, muitas vivem sem rede elétrica e abastecimento de água, justamente por falta de autorização", afirma o vereador.


Estudo apontou agravamento da situação
O levantamento realizado pela Comissão dos Direitos Humanos de Passo Fundo e Universidade de Passo Fundo, divulgado em reportagem de ON, demonstrou que população, ao longo dos 15 quilômetros da linha férrea que corta a cidade de uma extremidade a outra, aumentou na última década de 1,1mil para cerca de 2 mil famílias vivendo na faixa denominada de beira-trilho.


A pesquisa começou em outubro de 2015 como uma espécie de atualização dos dados obtidos em 2005. Também serviu para avaliar se houve, durante o intervalo de 11 anos, mudanças em relação às condições de moradia.


O comparativo mostra um agravamento da situação. Conforme o estudo, apesar do aumento da população circulando na beira-trilho, não há mecanismos de segurança. As contenções de acesso aos trilhos se restringem, em algum trechos, a fios de arame farpado. A falta de conservação dos trilhos aumenta ainda mais os riscos de acidente. Parte dos dormentes está bastante danificado e até mesmo encoberto pela terra e vegetação. Em determinados pontos da ferrovia, as casas estão a cerca de três metros de distância dos trilhos.


Outra constatação do estudo é de que, durante o intervalo de uma década, não foi criada nenhuma proposta objetiva para solucionar o problema. Baseado nestes estudos, o MPF reuniu diversas entidades ligadas ao assunto em uma audiência pública. Como desdobramento do encontro, à época, a prefeitura instalou um grupo de trabalho envolvendo cerca de 20 entidades. Os moradores foram mapeados e cadastrados. A partir dos dados, criou-se um projeto-piloto na tentativa de resolver parte do problema. O documento chegou a ser enviado para o Ministério das Cidades, mas não evoluiu.

Gostou? Compartilhe