Experiência em saúde no Brasil é destaque em conferência sobre aids

O Ministério da Saúde participará como palestrante de nove sessões científicas

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A experiência do Brasil em saúde pública na prevenção, no combate e tratamento da aids será destaque em uma conferência internacional, em Amsterdã (Holanda). Durante a 22ª Conferência Internacional de Aids (AIDS 2018), o maior e mais importante fórum global sobre a epidemia, o Brasil estará presente em nove sessões de debates e com 12 trabalhos científicos em torno do tema “Quebrando barreiras, construindo pontes”.

 

Nesta edição, que será realizada de 23 a 27 de julho, o Ministério da Saúde participará como palestrante de nove sessões científicas e terá um estande e uma exposição fotográfica sobre projeto de Prevenção Combinada com jovens.

 

A diretora do Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das Infecções Sexualmente Transmissíveis, do HIV/Aids e das Hepatites Virais (DIAHV), Adele Benzaken, ressaltou a importância da presença no encontro.

 

“Essa é uma grande oportunidade de aprimoramento da resposta do país ao HIV/aids. Além de termos contato com as principais evidências e avanços das pesquisas científicas na área, a conferência sinaliza para os países as diretrizes globais para prevenção e tratamento do HIV”.

 

Experiências

Nas palestras serão apresentadas as informações sobre os protocolos de uso e monitoramento do medicamento dolutegravir (DTG), a profilaxia pré-exposição (PrEP) e as inovações na testagem do HIV. Haverá ainda um workshop sobre implementação da profilaxia pré-exposição (PrEP), em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

 

De acordo com os organizadores da conferência, a previsão é reunir 18 mil participantes entre cientistas, gestores, ativistas, profissionais de saúde e estudantes.

 

Exemplo

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil é considerado um dos líderes latino-americanos no combate à aids, sendo o primeiro país da região a ofertar a PrEP e um dos primeiros no mundo a introduzir em larga escala o dolutegravir, medicamento de primeira linha para o tratamento do HIV.

 

O DTG é um antirretroviral de alta potência com nível muito baixo de eventos adversos, o que facilita a adesão dos pacientes ao tratamento. Desde 2013, o Sistema Único de Saúde (SUS) fornece gratuitamente tratamento antirretroviral a todos diagnosticados com HIV, aproximadamente 572 mil pessoas.

 

Pré-conferência

Antes da abertura oficial da conferência, marcada para o dia 23 à noite, a delegação do Brasil participará de reuniões promovidas por agências da Organização das Nações Unidas (ONU) para debater com representantes de outros países os rumos da resposta global à epidemia.

 

Amanhã a diretora do DIAHV participa da reunião da Coalizão Global de Prevenção do HIV para diretores de programas nacionais de HIV/AIDS, promovida pelo Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS).

 

No domingo, a representante do Ministério da Saúde participa de dois eventos: o primeiro, promovido pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), será o Diálogo Global sobre HIV, leis e direitos na era da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável.

 

A delegação do Brasil foi convidada para apresentar a experiência, incluindo a aprovação da lei que garante a mudança do nome e do gênero das pessoas trans nos registros civis, o acesso ao processo transexualizador pelo SUS e o debate nacional sobre a tipificação do crime de homofobia e da violência contra transexuais.

Gostou? Compartilhe