Falta de insumos para produção em Passo Fundo e Marialva

O diretor-presidente da Bsbios, Erasmo Battistella, disse ontem ao Jornal O Nacional, que a companhia não vai comprar soja nos próximos dez dias e que a retomada da produção vai levar um tempo, mesmo depois do encerramento da greve.

Escrito por
,
em
Empresa deixa de produzir em torno de 800 mil litros/dia de biodiesel e de processar 3.000 ton de soja/dia

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

ON Como a paralisação dos caminhoneiros tem atingido as operações da empresa em Passo Fundo? A BSBIOS continua produzindo biodiesel ou precisou parar ou reduzir em função da falta desta modalidade de transporte? Há uma estimativa de perda por dia ou acumulada neste período?
Erasmo Battistella - A BSBIOS paralisou na última quinta-feira (24/05) a produção em suas plantas industriais de Passo Fundo e também de Marialva/PR, por falta de insumos e, desde o final de semana liberou os colaboradores das áreas industriais. Com isso, estamos deixando de produzir em torno de 800 mil litros/dia de biodiesel e de processar 3.000 ton de soja/dia.  A companhia não irá fazer compra de soja nos próximos 10 dias devido estar tudo parado, essa é uma realidade da BSBIOS e de outras empresas, que também estão paradas.
 
ON - Esses reflexos, depois da volta do transporte por caminhões, tendem a permanecer por mais algum período?
Battistella - Após o retorno do transporte de caminhões alguns setores vão ainda levar algum tempo até se reestabelecerem. Aqui estamos nos organizando para acelerar esse processo e, poder retornar a operação.
 
ON - De que forma o biodiesel influencia na composição do preço dos combustíveis atualmente?
Battistella - O Biodiesel hoje está presente na composição do óleo diesel em 10%. Sugerimos ao governo o aumento imediato da mistura de 10% para 15% no Centro-Oeste, o que traria uma redução de R$ 0,13 centavos no preço do combustível na bomba, sendo que naquela parte do país o diesel é um dos mais caros do Brasil. O Centro-Oeste é a região que concentra a maior produção de biodiesel e de soja, - uma das principais matérias-primas para a produção do biocombustível - , além de estar localizado distante das principais refinarias do país. Aqui na região sul também teríamos uma redução se tivéssemos o B15, algo em torno de R$0,07. Entretanto, hoje a indústria brasileira não estaria preparada para atender um B15 de imediato em todo país.
 
ON - Até que ponto, com a ampliação da escala de produção e de uso do biodiesel seria possível diminuir a dependência dos combustíveis fósseis?
Battiistella - O Brasil ainda é um grande importador de diesel. O Biodiesel é mais barato, gera empregos, agrega valor aos grãos que são industrializados no país, entre outros. Com o aumento de mistura de biodiesel diminuiria a adição de diesel. Estamos solicitando ao governo o aumento para 11% da mistura para março de 2019 e, sucessivamente de 1% ao ano. Até chegarmos ao B20, que é o que consideramos ideal para o país.
 
ON - O biodiesel, como alternativa, poderia oferecer uma melhor política de preços?
Battistella - Sim, por que temos uma estabilidade melhor nos preços, com previsibilidade de 60 dias, em virtude dos leilões de biodiesel acontecerem a cada 2 meses. Além de, o biodiesel ser mais barato principalmente, nas regiões sul e centro-oeste.

Gostou? Compartilhe