Greve dos caminhoneiros entra no 3º dia e causa reflexos no país

Paralisação afeta 22 estados brasileiros mais o Distrito Federal; Correios suspenderam entregas agendadas do Sedex em todo o país

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O protesto de caminhoneiros contra o aumento no valor dos combustíveis chega ao terceiro dia e já afeta o abastecimento de postos em pelo menos quatro municípios do Rio Grande do Sul. O problema é registrado em Pelotas e Santa Vitória do Palmar, ambas no Sul do estado, Erechim, no Norte, e também em Uruguaiana, na Fronteira Oeste.

 

A Prefeitura de Santa Vitória do Palmar decretou calamidade pública nesta quarta-feira (23) devido à situação. A decisão do prefeito Wellington Bacelo (MDB) foi anunciada após uma reunião de emergência no gabinete, com os secretários municipais.

 

Em razão da paralisação dos caminhoneiros, a maioria dos postos não é abastecida pelos caminhões-tanque desde segunda-feira (21). Frentistas e donos dos estabelecimentos dizem que, por enquanto, ainda não existe previsão para o recebimento de gasolina.

 

Durante a manhã desta quarta (23), motoristas bloquearam o acesso à refinaria Alberto Pasqualini (Refap), em Canoas, na Região Metropolitana de Porto Alegre, responsável pelo abastecimento de diversas cidades gaúchas e de outros estados do Sul do país. Motoristas eram abordados no acesso ao local, e orientados não entrarem.

 

A General Motors, montadora de carros da Chevrolet que tem fábrica em Gravataí, na Região Metropolitana de Porto Alegre, informou, ainda na terça-feira, que as atividades foram interrompidas.

 

"A GM informa que o movimento dos caminhoneiros está impactando o fluxo logístico em suas fábricas no Brasil, com reflexo nas exportações. Com a falta de componentes, as linhas de produção começam a ser paralisadas e também estamos enfrentando dificuldades na distribuição de veículos à rede de concessionárias", diz a nota.

 

A cooperativa Aurora Alimentos também informou que paralisará suas atividades de produção na quinta-feira (24) e na sexta-feira (25), explicando que o transporte de insumos está compromentido com as interrupções nas estradas. Em nota enviada na terça-feira, a Aurora Alimentos salientou que a capacidade de estoque está exaurida.

 

O que querem os caminhoneiros

 Os protestos começaram ainda na noite de domingo (20) em diferentes rodovias federais e estaduais do Rio Grande do Sul. Pneus foram queimados às margens das estradas na madrugada de segunda (21).

 

A categoria quer a redução do valor do óleo diesel, que tem tido altas consecutivas nas refinarias. Na terça, o preço sobe 0,97% nas refinarias. Mas a Petrobras já anunciou que a partir desta quarta-feira (23), o valor cairá 1,54%. A escalada dos preços aconteceu em meio à disparada dos valores internacionais do petróleo.

 

As revisões podem ou não refletir para o consumidor final – isso depende dos postos. Segundo a Agência Nacional do Petróleo, do Gás Natural e dos Biocombustíveis (ANP), o preço médio do diesel nas bombas já acumula alta de 8% no ano. O valor está acima da inflação acumulada no ano, de 0,92%, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

 

O sindicato que representa os postos de combustíveis no Rio Grande do Sul, Sulpetro, por meio de nota, manifestou "descontentamento com a atual política de preços da Petrobras", com reajustes diários.

 

"A sistemática adotada em julho de 2017 está penalizando nocivamente os empresários varejistas de combustíveis e, por consequência, o consumidor", diz o comunicado. Na visão do sindicato, "a unifirmização das alíquotas de ICMS é uma das principais alternativas para reverter este quadro".

 

De acordo com o Sulpetro, as margens de lucro da gasolina para os segmentos de revenda e distribuição de combustíveis, além do frete, caíram de 17,8% para 14,8% - conforme dado de abril deste ano.

Gostou? Compartilhe