Grupo intensifica fiscalização contra crimes fiscais

O objetivo é detectar irregularidades na declaração de bens e de renda que possam ser indícios de crimes mais graves como, por exemplo, enriquecimento ilícito

Escrito por
,
em
Crédito:

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

“A manifestação de patrimônio incompatível com a renda pode ser apenas a ponta de um iceberg”, resume o auditor-fiscal, Leandro Tessaro Ramos, sobre o crime de enriquecimento ilícito. Neste ano, a Delegacia da Receita Federal da jurisdição de Passo Fundo criou um grupo especializado em fiscalização de pessoas físicas. O objetivo é justamente intensificar o trabalho realizado com esse público e detectar irregularidades na declaração de bens e de renda que possam ser indícios de crimes mais graves. Ramos, que é o delegado regional da Receita Federal, explica que o núcleo vai realizar um trabalho contínuo.

 

“A Receita Federal tem entre suas atribuições fazer a fiscalização dos contribuintes quanto ao pagamento de tributos, se existe alguma manifestação de renda incompatível com as declarações. Quando a gente constata uma infração fiscal, que não é simplesmente uma infração fiscal, mas ela é um crime também, nós temos obrigação por lei de reportar ao Ministério Público Federal”, explica o delegado, sobre o trabalho realizado pelo grupo especializado. Neste momento, o órgão fornece as informações para que o MP e a Polícia Federal realizem as investigações e apurem os crimes que vão além da esfera tributária. Em função do sigilo fiscal, a Receita Federal não pode repassar os dados oriundos do trabalho realizado por esse grupo.

 

Infração fiscal versus crime

Ramos explica a diferença que existe entre uma infração fiscal e um crime em um caso de ocultação de patrimônio ou de renda. “A infração é quando o contribuinte oculta parte da renda. O empresário, por exemplo, tem uma renda e acaba declarando menos e pagando menos imposto. A gente constata essa divergência e solicita que ele faça a correção desse tributo. Ou ele deixa de declarar um documento que é obrigatório declarar”, exemplifica o auditor. Nesses casos o contribuinte é advertido com multa.   

 

Porém, em casos cuja pessoa declara uma renda que é incompatível com o patrimônio e não possuí nenhuma declaração que possa sustentar esses bens (carros, imóveis, entre outros), pode haver indícios de enriquecimento ilícito. “Quando ele declara um patrimônio muito acima e muito desproporcional em relação à renda que ele declara, pode ser indício de ocultação de patrimônio, de enriquecimento ilícito, lavagem de dinheiro ou até mesmo de tráfico de drogas”, enfatiza Ramos.

Gostou? Compartilhe