Guterres faz apelo para evitar que situação na Síria fique "fora de controle"

O secretário-geral da ONU fez o apelo hoje, durante reunião de urgência do Conselho de Segurança

Escrito por
,
em
O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, em reunião de emergência do Conselho de Segurança das ONU convocada após ataques dos Estados Unidos, França e Reino Unido à Síria

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, fez um apelo hoje (14), durante reunião de urgência do Conselho de Segurança, para que se evite que a situação na Síria fique “fora de controle” e que termine por piorar “o sofrimento do povo sírio”. As informações são da agência de notícias EFE.

 

“Peço a todos os Estados-membros para que mostrem moderação nestas perigosas circunstâncias”, afirmou Guterres.

 

O secretário-geral pediu a todas as partes que respeitem a Carta das Nações Unidas e o direito internacional, em geral, e acrescentou que é responsabilidade do Conselho de Segurança manuter a paz e a segurança.

 

Guterres pediu que se evitem “atos que possam gerar uma escalada” das tensões na região, onde há diversos países envolvidos em um conflito que começou em 2011 e já deixou centenas de milhares de mortos.

 

A sessão de urgência do Conselho de Segurança da ONU foi convocada a pedido da Rússia, após o ataque de mísseis realizado pelos Estados Unidos, Reino Unido e França contra alvos na Síria, na madrugada deste sábado.

 

De acordo com o Departamento de Defesa dos Estados Unidos, foram lançados 105 mísseis contra alvos supostamente relacionados à produção de armas químicas.

 

O bombardeio ocorreu poucas horas antes da previsão de visita de uma equipe de investigadores da Organização para a Proibição de Armas Químicas (Opaq) para avaliar se houve uso de gás cloro em um ataque que deixou dezenas de mortos em Duma, na Síria, na semana passada.

 

Em comunicado, o Exército sírio garantiu que as forças de defesa antiaérea derrubaram “a maioria” dos 110 mísseis lançados contra posições em Damasco e na província de Homs. Além disso, três civis ficaram feridos.

 

Rússia

Durante a reunião do Conselho de Segurança, o embaixador Russo, Vasyl Nebenzia, disse que “a situação na Síria representa atualmente a ameaça mais séria contra a paz e a segurança internacional”.

 

O diplomata acusou os Estados Unidos e seus países aliados de "pisotear" o direito internacional pelo ataque lançado e qualificou como “vergonhosas" as justificativas legais utilizadas. “Os senhores estão pisoteando a Carta das Nações Unidas e o direito internacional”, afirmou.

 

Para Nebenzi, a justificativa dos Estados Unidos foi "vergonhosa". Mais cedo, o secretário de Defesa norte-americano, James Mattis, deu como base legal para o ataque a necessidade de proteger os interesses dos Estados Unidos e de cumprir o Artigo 2 da sua Constituição.

 

"É vergonhoso que para executar uma agressão [a outro país] se invoque um artigo da Constituição dos Estados Unidos", disse o diplomata russo. "É hora de entender que o código internacional que regula o emprego da força está definido pela Carta das Nações Unidas", acrescentou.

 

O diplomata pediu ainda que o Conselho de Segurança condene o ataque e trabalhe para impedir novas agressões contra a Síria, com o argumento de que o uso da força pouco contribui para o processo de paz.

 

Armas preparadas e carregadas

Já a embaixadora dos Estados Unidos na ONU, Nikki Haley, disse que o país têm suas próprias armas "preparadas e carregadas" para uma nova ofensiva contra a Síria, caso haja novo ataque com uso de armas químicas.

 

“Estamos preparados para manter a pressão, se o regime sírio for tão estúpido a ponto de pôr a toda prova nossa vontade”, disse a embaixadora durante a reunião.

 

De acordo com Nikki Haley, o ataque conjunto foi uma “mensagem clara” de que não se permitirá que o regime de Assad continue usando armas químicas.

 

Segundo Haley, os Estados Unidos têm “informação clara de que está demonstrada a culpabilidade de Assad” nesse suposto uso de armas químicas em Duma.

 

A embaixadora contou que conversou hoje com o presidente Donald Trump e ele disse que, "se o regime sírio usar esse gás venenoso de novo, os Estados Unidos têm suas armas preparadas e carregadas”.

Gostou? Compartilhe