Hospital nega desvio de verba do SUS

A instituição assegura que não há pagamentos indevidos por parte da direção financeira e nem recebimentos de vantagens por parte de integrantes da administração

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A Associação Hospitalar Beneficente São Vicente de Paulo (HSVP) de Passo Fundo, divulgou nota oficial hoje à tarde esclarecendo que, como entidade privada, não recebe repasses de verbas públicas, muito menos do Sistema Único de Saúde (SUS), sendo remunerada pelo Estado do Rio Grande do Sul por serviços contratados e prestados, a exemplo de outros planos de saúde. A manifestação diz respeito a uma investigação da Polícia Federal, que suspeita que um funcionário do Hospital estaria repassando verba do SUS indevidamente para uma consultoria em Florianópolis, o que é negado pelo Hospital.


Segundo a nota, o HSVP tem uma estrutura própria de administração, com órgãos internos de controles da eficiência na prestação de serviços médico-hospitalar, bem como em relação a compras e contratação de terceiros para prestações de serviços para a Instituição. A instituição assegura que não há pagamentos indevidos por parte da direção financeira e nem recebimentos de vantagens por parte de integrantes da administração, “sendo reconhecida a idoneidade de todo o quadro funcional”.


Diz a nota: “A Instituição também conta com serviços terceirizados de consultorias administrativas e operacionais, prestados por pessoas jurídicas, sem vínculos de empregos, não constando irregularidades nas contratações, nem nas efetivas prestações dos serviços contratados e nos pagamentos”.


Segundo o Hospital, os serviços de consultorias e logística não são relacionados com a área da assistência direta aos pacientes, ou seja, são despesas estruturais da Instituição e os pagamentos destes serviços não são vinculados diretamente aos valores recebidos em pagamentos por serviços médico-hospitalares prestados aos pacientes.


Ao encerrar a nota, a direção destaca que os projetos de reestruturação organizacional do HSVP, continuarão, vistos os resultados positivos advindos para a segurança institucional e dos pacientes, podendo serem revistos de acordo com as necessidades técnicas e médicas da Instituição e dos pacientes. “O Hospital São Vicente de Paulo reitera o seu compromisso de prover serviços e soluções de excelência em saúde para mais de dois milhões de habitantes, para os quais é referência.”

Gostou? Compartilhe