IGP alerta para pedidos desnecessários de carteiras de identidade neste período de restrições

Somente casos com urgência comprovada são atendidos

Escrito por
,
em
Foto: Divulgação / IGP

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A pandemia de Covid-19 alterou a rotina de emissão de carteiras de identidade no Estado. Para evitar o contágio pelo novo coronavírus, o Instituto-Geral de Perícias (IGP) suspendeu temporariamente o atendimento para o público geral e montou um esquema especial que prevê agendamento por telefone. Apenas nos casos em que a urgênia é comprovada o cidadão é encaminhado para o Posto de Identificação.

Situações consideradas urgentes:

• retirar receitas em farmácias;
• internações e cirurgias de emergência;
• vítimas de roubos e furtos, desde que outros documentos também tenham sido roubados;
• viagens de avião agendadas com urgência.

Em todos esses casos, é necessário apresentar documentos, como receitas médicas, boletins hospitalares, boletins de ocorrência e passagens aéreas que comprovem o relato. Os agendamentos acontecem a cada 30 minutos, o que garante o tempo necessário para que a estação de trabalho seja higienizada.

Em Porto Alegre, todos os serviços foram concentrados no Departamento de Identificação (avenida Azenha, 255). Os três números de telefone disponibilizados muitas vezes são insuficientes diante da demanda e é preciso que o cidadão realize algumas tentativas até conseguir completar a ligação. São eles: (51) 3223-6122, 3223-2798 e 3223-2727.

A diretora do Departamento de Identificação do IGP, Kátia Reolon, pede que a população compreenda o momento e espere a pandemia passar. “Alguns alegam que a foto não está boa, que a carteira está velha ou que precisam dela para ir aos cartórios, mas eles estão fechados. Há ainda os que nos procuram presencialmente, contrariando o pedido para que fiquem em casa. Em todos esses casos, o atendimento é negado”, afirma a diretora.

Gostou? Compartilhe