Intervenção militar?

Segundo especialistas, as Forças Armadas estariam ferindo a democracia e agindo de forma ilegal se assumissem papel político no país

Por
· 3 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

No fervor de uma manifestação pública desencadeada pela alta no preço dos combustíveis, pedidos de “intervenção militar constitucional” ganharam espaço em faixas e discursos contra o governo de Michel Temer. Para os defensores, esta seria uma possível solução para a crise pela qual o país passa e uma maneira de enfrentar a corrupção. No entanto, o termo defendido é inexistente na Constituição, explicam especialistas.

A solicitação de parte da população reivindica às Forças Armadas um papel que não lhes cabe. Tal ação iria contra os próprios princípios da hierarquia e da disciplina, como prevê o artigo 142 da Constituição Federal, que estabelece às Forças Armadas a competência de três funções: defesa da pátria, garantia dos poderes constitucionais e, por iniciativa de qualquer destes, da lei e da ordem. Sobretudo, determina a subordinação delas à autoridade suprema do presidente da República.

Para o professor de Direito Civil da IMED e doutor em Direito Público, Fausto Morais, não se pode reconhecer espaço político e jurídico para que as Forças Armadas assumam um papel político e tomem o governo do país. “Numa breve linha: as Forças Armadas estariam agindo de forma ilegal se postulassem promover uma intervenção no Brasil”, esclarece. “Se o Presidente comete abusos, temos, graças à democracia e à Constituição, instrumentos que movimentam o Poder Judiciário à garantir o direito de todos. Isso vale também às Forças Armadas. Se elas passam dos limites jurídicos, temos o judiciário para salvaguardar os nossos direitos constitucionais”.

Defender a intervenção militar é, por consequência, um ato antidemocrático. Conforme Morais, em tempos de instabilidade social e política, a população deve clamar mais pela democracia do que pela intervenção militar. “Isso passa por observar a Constituição como forma de proporcionar estabilidade jurídico-política às instituições democráticas. O núcleo da nossa Constituição é garantir uma sociedade democrática, algo totalmente incompatível com uma intervenção militar. A Constituição Federal de 1988 foi produzida após um longo tempo de regime militar e, talvez observando isso, criou-se um papel institucional específico às Forças Armadas”.

Intervenção reivindicada equivale a golpe militar

Segundo o doutor em Filosofia e presidente do Conselho Estadual de Direitos Humanos do Rio Grande do Sul (CEDH), Paulo Carbonari, compactuar com a ideia de intervenção militar é incompatível com pessoas democratas, que valorizam os direitos humanos e apoiam valores como respeito, dignidade, humanidade e luta social. “É, na minha avaliação, primeiro, um atentado contra a consciência democrática e, segundo, uma declaração de falência ou incompetência cidadã”, opina.

O filósofo explana que a intervenção militar que está sendo pedida pela população não é aquela prevista pela Constituição e que tem sido implantada no Rio de Janeiro, por exemplo, por problemas de segurança pública. “O que elas querem é um golpe militar. Ou seja, que os militares assumam o poder do país, como já fizeram em outras épocas, sobretudo em 1964. Quem advoga golpe militar, advoga destruição da democracia. Efetivamente, ao assumir um governo dessa maneira, rompem-se os processos democráticos. Rompe-se aquilo que a Constituição determina ser o processo através do qual o povo exerce o poder, com processos eleitorais e alternância de poderes, por exemplo”. Esperar que o poder político emane e seja exercido por líderes militares, portanto, desrespeita o artigo 1º da Constituição.

Para Carbonari, a intervenção militar solicitada equivale à ditadura militar que vigorou no país de 1964 a 1985 e gerou um Estado de Exceção, suspendendo temporariamente direitos e garantias constitucionais. “Quem pensa em intervenção militar sobre esse ponto de vista, não tem outro nome. Pode ser um eufemismo, mas o que está defendendo é ditadura militar. Isso não faz bem para ninguém. Não se cura a democracia com menos democracia. Só se cura a democracia com mais democracia. Só se cura a liberdade com mais liberdade. Só se cura a injustiça promovendo justiça”.

Na avaliação do filósofo, acreditar que os militares apresentariam soluções mágicas para problemas que nem os melhores quadros e organizações políticas foram capazes de resolver, é ingenuidade. “A crise do abastecimento, dos combustíveis, não tem a ver só com a incompetência e incapacidade desse governo. Tem sim a ver com a política desse governo, mas tem a ver também com a lógica toda do mercado internacional que joga nos combustíveis um campo fundamental de acumulação de riqueza. São opções políticas, mas elas também são condicionadas por lógicas de mercado”.

Assim como o filósofo, Fausto Morais defende a necessidade do exercício democrático e do cumprimento da ordem constitucional estabelecida. “Se assim não o for, corremos o risco de perdermos as nossas liberdades mínimas – como o direito à liberdade de expressão, o direito à manifestação e o direito de liberdade de imprensa, por exemplo – em prol de uma utópica realidade de uma vida melhor com a intervenção. Não se pode cair nessa armadilha. Não podemos esquecer que o regime militar produziu, acima de tudo, um Estado de Exceção. Isto é, eram aplicadas as leis da forma que o regime achava melhor, sonegando direitos mínimos das pessoas”, finaliza.

 

Gostou? Compartilhe