Mais de 1,5 milhão de pessoas já foram vacinadas contra a gripe no RS

Neste sábado ocorre a campanha, Dia D, que tem como objetivo a vacinação contra o vírus

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O secretário da Saúde, Francisco Paz, reforça o chamado à campanha de vacinação contra a gripe no Dia D, que ocorre neste sábado (12), nos postos de saúde de todos os municípios gaúchos. “Doze casos de Influenza, entre os 14 confirmados este ano [conforme o último boletim], estão dentro da população elegível para a imunização”, explica Paz, ressaltando a importância de vacinar os grupos prioritários relacionados pelo Ministério da Saúde. A única contraindicação da vacina é a pessoa estar com febre no momento da aplicação.

 

Registros até esta sexta-feira (11) indicam que mais de 1,5 milhão de pessoas já foram imunizadas contra o vírus da gripe, o Influenza, desde o início da campanha em 23 de abril. Isso representa uma cobertura de 46,5% dos grupos prioritários. A meta é chegar até o final da campanha, em 1º de junho, a 90% de alcance.

O secretário falou durante a reunião do Comitê de Monitoramento de Eventos de Saúde Pública, na manhã desta sexta-feira (11). O comitê é intersetorial e reúne-se periodicamente para fazer um levantamento do cenário epidemiológico-ambiental do estado e das atuais ameaças à saúde pública. Além da gripe, foi tratada a situação do mosquito Aedes aegypti e as doenças causadas por esse vetor (dengue, chikungunya e zika vírus).

 

Apesar dessas doenças não estarem circulando no estado neste ano (só foram registrados casos importados de outras localidades, segundo o último boletim epidemiológico), a incidência do Aedes aegypti mostra um crescimento significativo, com 280 municípios gaúchos infestados pelo mosquito. “É uma realidade desfavorável”, lamenta o secretário. “O mosquito tem se adaptado ao longo dos anos e nossa forma de consumo, que tem uso abusivo de plástico, faz piorar o cenário.”

 

Estiveram presentes à reunião representantes do Ministério da Saúde, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental (Abes), da Secretaria de Segurança Pública, da Secretaria Municipal de Saúde de Porto Alegre, da Casa Militar e da Caixa Econômica Federal.

Gostou? Compartilhe