Medicina da UPF é acreditada com selo de qualidade do Saeme

Instituição é uma das 13, de um universo de mais de 300 escolas de Medicina do Brasil, a receber a acreditação do sistema. Selo atesta a excelência do ensino médico oportunizado pela UPF

Escrito por
,
em
UPF é uma das 13 entre 300 instituições no Brasil acreditadas

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Passo Fundo se consolidou como um polo de referência na área da saúde a partir da implantação da Faculdade de Medicina da Universidade de Passo Fundo (FM/UPF), em 1970. Desde então, a Faculdade possibilitou a formação de profissionais que atuam no Brasil e no exterior e tem sido reconhecida pela excelência no ensino médico. Em 2018, após um longo período de avaliação, a Faculdade de Medicina da UPF foi acreditada pelo Sistema de Acreditação de Escolas Médicas (Saeme). Com isso, de um universo de mais de 300 Escolas de Medicina no país, a Faculdade da UPF tornou-se uma das 13  a receber a certificação no Brasil. Se consideradas somente as privadas e comunitárias, há somente três instituições que recebem essa acreditação, sendo a UPF uma delas.

 

A acreditação consiste em um selo de qualidade que é concedido pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) e pela Associação Brasileira de Educação Médica (Abem). Conforme o diretor da Faculdade de Medicina da UPF, professor Gilberto Borges Bortolini, a adesão ao processo foi voluntária e reforça a intenção da unidade acadêmica em buscar a qualificação constante das metodologias e da formação que proporciona aos futuros médicos. “A avaliação oportuniza comprovar excelência em diferentes aspectos, tanto em requisitos educacionais quanto no que diz respeito ao perfil dos docentes, à qualidade da gestão e à infraestrutura disponível”, aponta ele. 

 

O processo, segundo Bortolini, contou com várias etapas que iniciaram a partir da adesão voluntária e do preenchimento on-line de um questionário. Após essa etapa, a Faculdade de Medicina realizou uma autoavaliação, por meio de uma plataforma on-line, para, então, ter início as visitas externas dos avaliadores. “Foi mais de um ano de avaliação até chegarmos ao parecer final”, conta o diretor da Unidade, que recebeu duas visitas de avaliadores, os quais conheceram toda a estrutura da Faculdade. 

 

Indicadores de qualidade
O sistema de acreditação utiliza para avaliação os indicadores de qualidade do curso e conceitua com insuficiente e suficiente as diferentes dimensões que compreendem a Faculdade, desde a gestão educacional até o programa de ensino, o corpo docente e o discente e o ambiente. Para Bortolini, receber uma acreditação de um sistema como o Saeme evidencia a qualidade de ensino oferecida, por ser um sistema independente do governo e, além disso, o relatório final produzido pela avaliação acaba se tornando uma ferramenta de gestão.

 

Outro ponto fundamental sobre a acreditação, conforme o diretor, é a vantagem em relação à mobilidade internacional. “O Saeme tem seus procedimentos operacionais de acordo com os parâmetros da World Federation for Medical Education (WFME), o que permite que os alunos das escolas acreditadas tenham maior mobilidade para sua formação internacional”, destaca, ressaltando que a partir de 2023, todos os médicos que se inscreverem para obter certificação do Educational Commission for Foreign Medical Graduates (ECMFG) – que possibilita a certificação para atuação internacional – deverão ser egressos de escolas acreditadas por esse sistema.

 

Modelo de Escola
O processo de acreditação revelou mais do que a excelência da Faculdade de Medicina da UPF: o relatório final também apontou três ações que são modelo e que colocam a unidade acadêmica na vanguarda do ensino médico. Conforme Bortolini, uma dessas potencialidades evidenciadas pela avaliação é a curricularização da pesquisa, que, desde o segundo nível, já permite ao acadêmico iniciar a produção de projetos científicos. Além desse, outra potencialidade é o processo de avaliação, que conta com a participação ativa dos acadêmicos. “Realizamos um processo de avaliação aleatório, que avalia as disciplinas detectando as fragilidades e as capacidades nos diferentes níveis. Nessa metodologia, os alunos são ouvidos pela gestão e recebem feedback. É uma construção coletiva, com a participação de todos”, avalia ele.

 

A terceira potencialidade evidenciada pela avaliação foi o Ambulatório de Especialidades, um espaço para o desenvolvimento de práticas, instalado junto ao Hospital São Vicente de Paulo, que recebe pacientes encaminhados pela rede básica de saúde para atendimento especializado. “Nosso ambulatório é tido como padrão e essas ações pioneiras realizadas na Faculdade de Medicina da UPF serão difundidas para outras instituições do Brasil”, pontua, considerando que, pela avaliação positiva, a UPF será sede, nos próximos meses, de um curso de formação de preceptores a nível nacional. “Estamos satisfeitos por, na primeira busca pela acreditação, já recebermos esse selo de qualidade. Isso eleva o conceito da unidade e, por consequência, da nossa Universidade”, conclui Bortolini. 

Gostou? Compartilhe