Obra está na fase de colocação da tubulação

Diversas faixas com pedido de 'intervenção militar' estavam presente entre os manifestantes

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

'Se tiver que ficar um mês aqui vou ficar'. A afirmação feita pelo caminhoneiro Arlindo Zandoná reflete o sentimento dos caminhoneiros concentrado às margens do quilômetro 301, da BR 285, em Passo Fundo. O local é o principal ponto dos manifestantes no município. Durante a semana, a categoria ganhou apoio dos agricultores, motoboys, taxistas, além de diversas entidades.

Mesmo com a proposta de acordo, anunciada na quinta-feira à noite, pelo governo federal e representantes de entidades de caminhoneiros, os motoristas não arredaram o pé do local. Ontem à tarde, mais de 400 veículos permaneciam estacionados nas imediações.


Morador de Ibiraiaras, Zandoná está parado no local desde a manhã de segunda-feira, quando iniciaram as manifestações. "O pessoal aqui tá tranquilo. Ninguém tem pressa de sair. Vamos passar o final de semana e mais o tempo que for necessário", afirmou.


Motorista autônomo há 35 anos, ele transportava uma carga de areia quando decidiu parar. Sobre a proposta apresentada pelo governo federal, ele definiu como 'falcatrua'. "Queremos uma redução real e permanente no preço do diesel", declarou. Segundo ele, todos os motoristas estão participando dos atos por vontade própria. "Não estamos trancando ninguém, quem quiser seguir viagem pode seguir".


Além dos caminhões, máquina agrícolas estão estacionadas na lateral da pista. Algumas delas com faixas pedindo por "intervenção militar". Outra faixa, com a mesma inscrição foi suspensa por um guindades e divide espaço com as banderias do Brasil e do Rio Grande do Sul.


O caminhoneiro Rafael Mello, 31 anos, pretende passar o final de semana às margens da rodovia. Desde terça-feira com o caminhão estacionado no posto, carregado com uma carga de feijão, ele disse que a orientação da empresa em que trabalha é de 'não forçar a passagem pelos pontos de bloqueio'. "Já poderia ter retornado, mas resolvi ficar para ver se melhora alguma coisa", disse.

Gostou? Compartilhe