Padilha: desconto do diesel chega às bombas até segunda

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, disse hoje (1º) que o governo prometeu e cumpriu "ponto por ponto, vírgula por vírgula" , "de forma peremptória", todas as propostas acertadas com os caminhoneiros. Padilha reafirmou que o governo garante a vigência do desconto, de R$ 0,46 por litro de óleo diesel na bomba, com base no preço de 21 de maio. "O prazo é de 72 horas, na segunda-feira todos os postos deverão praticar o preço com desconto no óleo diesel", acrescentou.

 

Segundo o ministro, há grupos de caminhoneiros que ainda não entenderam o acordo, em especial a questão do veto ao PIS-Cofins. "A lei de responsabilidade fiscal impede que se zere essas contribuições, sem compensações", explicou. Padilha enumerou mais uma vez como o desconto foi composto: "R$ 0,05 vieram do fim da  Cide e R$ 0,41 do PIS/Cofins, mas da seguinte forma: uma contrapartida de R$ 0,11 e do Tesoruo Nacional estão saindo R$ 0,30".

 

Padilha destacou que outros pontos do acordo já estão em vigor:  a não cobrança de pedágio do eixo suspenso, em vigor desde ontem, a reserva de 30% de frete na Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) para caminhoneiros autônomos, e tabela preço mínimo para o frete.

 

O ministro lembrou ainda que todas as forças federais foram acionadas, sem um único registro de violência. "Isso é importantíssimo", disse. Ele agradeceu a todos: aos caminhoneiros autônomos, à confederação do setor de transportes e à sociedade. "Reconhecemos que tivemos todos de dar uma cota de sacrifícios, mas  caminhamos celeremente rumo à normalização", completou.

Gostou? Compartilhe