Passo Fundo : Um Rio exposto

Exposições mostram realidade ambiental, histórico-cultural, econômica e política da Bacia do Rio Passo Fundo, que abrange 30 municípios da região Norte do Estado

Escrito por
,
em
Exposição sobre o Rio Passo Fundo foi aberta na sexta-feira, 10 de agosto, e segue até dezembro

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

População está convidada a visitar a maior exposição já feita sobre o Rio Passo Fundo. A Fundação Universidade de Passo Fundo (FUPF), a Universidade de Passo Fundo (UPF) e a Caixa Econômica Federal promoveram, na sexta-feira, 10 de agosto, no Portal das Linguagens da UPF, a abertura das exposições do Projeto Rio Passo Fundo: patrimônio paisagístico, natural, ambiental, histórico-cultural, econômico e político. O projeto foi um dos selecionados pelo Programa Caixa de Apoio ao Patrimônio Cultural Brasileiro 2017-2018. As exposições estão abertas até dezembro.

 

As atividades iniciaram há um ano e meio e envolveram expedições, ações educativas, visitas às escolas, pesquisa e elaboração de conteúdo. As exposições apresentam o Rio como patrimônio paisagístico, natural, ambiental, histórico-cultural, econômico e político. Uma das coordenadoras do projeto, Flávia Biondo, que também coordena o Museu Zoobotânico Augusto Ruschi (Muzar), fala da importância do papel dos museus em protagonizar projetos como esse. “Museus não devem ser só para guardar e cuidar de coleções e patrimônios. Os museus têm que instigar e tentar fazer a diferença. Pensamos em uma museologia diferente. Não temos o poder de fazer mudanças, mas a obrigação de fazer o ser humano refletir sobre as suas ações”, destacou Flávia.

 

O projeto foi um desafio para todos os envolvidos e abraçado pelas entidades promotoras, apoiadoras e parceiras. “Visitamos os municípios de abrangência da Bacia do Rio. Esse desafio só foi o início e temos um compromisso grande com esse patrimônio que é o Rio Passo Fundo”, ressaltou a também coordenadora do projeto, Tania Aimi, que também coordenada os museus de Artes Visuais Ruth Schneider e Histórico Regional (MAVRS e MHR). Ela enfatizou ainda a necessidade de uma mobilização para transformar o Rio Passo Fundo em patrimônio permanente do município.

 

O projeto, segundo a reitora da UPF, professora Dra. Bernadete Maria Dalmolin, representa a síntese da coletividade e do aprendizado contínuo, envolvendo desde a Instituição e entidades parceiras, até os professores e alunos. “Todos nós temos esta responsabilidade social com os nossos recursos. O Rio é sinônimo de desenvolvimento. As pessoas que moram ao redor dele podem desenvolver o lugar em que vivem e fazer com que essa grande Mãe Natureza se fortaleça. Parabéns a todos os envolvidos neste projeto com essa grandeza”, destacou.

 

Visitação
A comunidade pode visitar as exposições no Portal das Linguagens e no Muzar, ambos localizados no Campus I da UPF, durante os turnos manhã e tarde. O Portal não está aberto nas segundas-feiras. Neste fim de semana, dias 11 e 12 de agosto, as exposições também estarão abertas das 14h às 17h. Informações pelo telefone (54) 3316-8316.


Sobre as exposições

Patrimônio paisagístico, natural e ambiental
Para apresentar à comunidade o patrimônio paisagístico, natural e ambiental da Bacia Hidrográfica do Rio Passo Fundo, o Muzar propõe a interação dos visitantes com a exposição. Eles poderão conhecer a área geográfica da Bacia, a biodiversidade correspondente aos ecossistesmas que compõem a região e, ainda, as questões ambientais que envolvem a água – desde a identificação de áreas protegidas na Bacia até os problemas ambientais e sociais que a região apresenta. A fauna e flora ameaçada de extinção também são destacadas na exposição.

Patrimônio Histórico-cultural, econômico e político
A exposição do MHR – instalada no Portal das Linguagens – aborda as relações entre os homens, suas ocupações, ressignificações sociais e culturais, as construções identitárias e o espaço físico da Bacia Hidrográfica do Rio Passo Fundo ao longo dos séculos XIX, XX e XXI.

Arte que aborda a realidade
Além disso, o MAVRS vai apresentar três exposições – também instaladas no Portal das Linguagens – que, por meio do uso da arte, vão apresentar ao visitante o cenário do Rio Passo Fundo. “Só mais um”, “Sons do mundo” “Água (nossa) imagem líquida” e “Percurso poético do rio: terras, cores e nuances” abordam, por meio da visão artística de professores e acadêmicos do curso de Artes Visuais da FAC/UPF, da professora Ivana Rocha Tissot, da jornalista Fabiana Beltrami e da artista plástica Maria Lucina Bueno, a questão do lixo em meio ao rio e, ainda, a utilização das tintas naturais – encontradas na região – como alternativa de produção artística.

Gostou? Compartilhe