Prefeitura corta ponto de servidores

Os professores prometem manter a mobilização no Paço Municipal

Escrito por
,
em
Em protesto, ontem à tarde, alguns servidores ocuparam os corredores do prédio

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Manifestantes do CMP Sindicato e Simpasso ocuparam o segundo andar da Prefeitura na tarde de ontem. O ato foi em resposta à decisão do Executivo de descontar da folha de pagamento dos servidores valores referentes aos dias em que não bateram, por participarem da paralisação da categoria. Está marcado para esta quarta-feira uma reunião com a secretária da Administração Marlise Soares. Os professores prometem manter a mobilização no Paço Municipal e uma nova assembleia está marcada para segunda-feira (02).


De acordo com o professor Eduardo Albuquerque, um dos dirigentes do CMP, o Prefeito Luciano Azevedo teria firmado um acordo com os servidores de não descontar valores referentes aos dias de greve. O presidente do Simpasso Éverson da Luz afirmou que a greve ocorre dentro da lei, com os pré-requisitos sendo cumpridos, e considera inaceitável efetivar o corte enquanto as negociações ainda estão em andamento. Angelita da Rosa é professora municipal da Educação Infantil e Ensino Fundamental e afirma que algumas professoras tiveram desconto no contra-cheque e que desde segunda-feira (26) a paralisação passou de meio turno para greve o dia todo. “Enquanto não tivermos uma resposta concreta, uma posição certa, eu me nego a ir trabalhar”, completou.

 

Os servidores reivindicam 6.81%. A última proposta do Executivo chegou a 2,33%. Em nota, a Prefeitura de Passo Fundo informou que fez três propostas de reajuste salarial aos servidores, dentro da realidade financeira do país e respeitando as limitações legais. 


Sobre o corte no ponto, o Executivo tem deixado claro que é sua obrigação legal controlar a efetividade e que apenas atendeu a um pedido do CMP para abonar as faltas dos dias 27 e 28 de fevereiro, o que foi feito.

Gostou? Compartilhe