Produtores dão início à próxima safra

A área ocupada pela cultura deverá ser parecida à do ano passado

Escrito por
,
em
Produtores já começaram as aquisições de insumos a serem utilizados para o cultivo do milho na próxima safra

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Produtores de milho já começaram as aquisições de insumos a serem utilizados para o cultivo do grão na próxima safra, percebendo aumento nos preços dos fertilizantes em relação à safra passada. Segundo Informativo Conjuntural elaborado pela Emater/RS-Ascar, também iniciaram o preparo das primeiras áreas onde será cultivado o milho, com dessecação da vegetação de inverno. Em municípios do Norte e Noroeste, como Horizontina, Doutor Maurício Cardoso e Novo Machado, o plantio deve iniciar nos primeiros dias de agosto próximo se as condições climáticas – de umidade e temperatura – permitirem. Nessa região a área ocupada pela cultura, destinada à produção de grão, deverá ser parecida à do ano passado.
 
Safra de Inverno 2018
Trigo – Atualmente 98% das lavouras estão em desenvolvimento vegetativo (perfilhamento ou alongamento), ao passo que 2% da área já está em floração. As lavouras apresentam boa população de plantas, bom desenvolvimento vegetativo e boa sanidade, sem ataque de pragas e doenças; a maioria das lavouras apresentam altura entre 25 a 50 cm, variando conforme o tempo de plantio.
 
Canola – A lavoura permanece em desenvolvimento, mas com a maioria das áreas no estágio de floração e com muitas delas entrando em fase de enchimento de grãos. Com a umidade e o calor nessa semana que passou, a cultura teve boa evolução no período. Em geral apresenta aspecto fitossanitário satisfatório e bom stand de lavoura.
 
Cevada – A maior parte das lavouras gaúchas está na fase de desenvolvimento vegetativo, mas apresentando as primeiras áreas implantadas em elongação e início de floração, desenvolvendo espigas longas. Em lavouras do Planalto Médio, algumas foram prejudicadas no estágio inicial pelo excesso de chuvas, propiciando o surgimento de manchas foliares e oídio; mas em geral, apresentam crescimento rápido, perfilhamento pequeno, bom padrão de plantas e boa sanidade.


Criações
As baixas temperaturas, o excesso de umidade, a nebulosidade, pouca luminosidade e as geadas têm prejudicado a rebrota do campo nativo e a qualidade das forragens. Quanto ao campo nativo do bioma Pampa, nas áreas de baixa fertilidade observa-se um maior efeito das geadas, se comparadas às áreas de média fertilidade. Nesse sentido a Emater/RS-Ascar orienta os pecuaristas para que realizem coleta de solo no campo nativo, para amostragem e posterior aplicação de corretivos e fertilizantes. Na região Sul, há aumento significativo de áreas inundadas na bacia das duas lagoas, o que está diminuindo a área das pastagens nativas, chegando a ponto de não ter lugar para os animais se deitarem. Por outro lado, nas regiões administrativas da Emater/RS-Ascar de Passo Fundo, Erechim e Caxias do Sul, as condições climáticas da última semana contribuíram para ampliar a oferta de alimento volumoso aos animais, embora ainda exija atenção por parte do pecuarista, pois esse é o período mais crítico para o desenvolvimento das pastagens.  O gado em geral permanece com boas condições nutricionais e consequentemente com bom estado corporal, mas devido às baixas temperaturas e à ocorrência de geadas, os animais em campo nativo já apresentam perdas corporais. Iniciou o nascimento de terneiros;recomendam-se vistorias permanentes para monitorar  as vacas em parição.
 
Ovinocultura
Em geral, os rebanhos apresentam escore corporal satisfatório. Alguns ovinocultores utilizam pastagens cultivadas de inverno; porém muitos dias de chuva e poucos dias de sol causaram dificuldades no desenvolvimento das pastagens. Outros estão fornecendo suplementação para o rebanho, como farelo de arroz, resíduo de peneira, milho ou ração.  Quanto ao manejo sanitário, as práticas se concentram no controle das verminoses, em especial a hemoncose, e miíases. Devido à umidade excessiva dos campos, já se observa a presença de manqueira em alguns animais. Continuam os trabalhos de manejo pré-parto e retirada do excesso de lã na região do úbere, para facilitar a futura amamentação dos cordeiros. Há um grande número de cordeiros nascidos.

Gostou? Compartilhe