Projeto SisLeite para jovens produtores inicia em Ronda Alta

O objetivo é qualificar a atividade leiteira do município

Escrito por
,
em
Crédito:

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Para qualificar a atividade leiteira em Ronda Alta, contemplando propriedades em que o jovem está envolvido, a Emater/RS-Ascar iniciou o Projeto de Assistência Técnica para o Desenvolvimento de Sistemas de Produção de Leite da Agricultura Familiar (SisLeite) com 19 jovens produtores do município. Na última terça-feira (27/03), uma aula inaugural marcou a implantação do Projeto SisLeite em Ronda Alta.

 

O SisLeite foi desenvolvido, conceitualmente, admitindo a existência de diferentes formas de produção de leite para a agricultura familiar no Estado. Dessa forma, o Projeto não propõe a difusão de um pacote tecnológico, mas de um conjunto de diretrizes técnicas e metodológicas que devem ser consideradas, como a visão sistêmica da propriedade e da atividade, o diálogo com a família e o planejamento conjunto, a pactuação de atividades e comprometimento com os resultados, gestão da atividade, foco no aumento da eficiência técnico-econômica, priorização dos gastos em produção, qualidade e redução da penosidade, máxima eficiência na produção de alimentos volumosos, conservação dos recursos naturais, respeito à legislação ambiental e ao bem-estar animal.

 

Em Ronda Alta, autoridades e lideranças locais participaram da atividade realizada com os jovens produtores, entre elas o prefeito, Miguel Gasparetto, o secretário Municipal da Agricultura e Obras, Eliomar Rigo, o presidente da Câmara de Vereadores, José Fontana, o presidente do Sindicato dos Trabalhadores na Agricultura Familiar, Sérgio Cé, o assistente técnico regional de sistemas de produção animal da Emater/RS-Ascar, Valdir Sangaletti, e o supervisor, Leonir Bonavigo. O prefeito questionou os jovens sobre qual seria o melhor emprego para geração de renda. Gasparetto destacou as vantagens de morar no meio rural e mostrou que permanecer na propriedade, principalmente trabalhando com a atividade leiteira, é possível ter renda e qualidade de vida.

 

A aula seguiu com a explanação do assistente técnico, Valdir Sangaletti, que apresentou aos jovens o Projeto SisLeite, destacando os objetivos e a proposta de trabalho. Em seguida, Sangaletti falou sobre a abordagem sistêmica na propriedade e na atividade leiteira. “Usaremos alguns elementos da abordagem sistêmica no curso, como o entendimento de que a realidade é complexa e não é explicada pela simples soma das partes, a importância da interdisciplinaridade e da multidisciplinaridade, como necessária para uma maior compreensão da realidade, destaque para a característica do especialista que sempre procura compreender e aprender e, por fim, que existem muitas soluções satisfatórias nesse processo”, observou Sangaletti. Segundo ele, o estudo de um sistema pressupõe a realização de algumas fases sucessivas e complementares, o diagnóstico, fase de análise, fase de síntese, tomada de decisão e plano de ação e execução.

 

Os próximos encontros, que acontecerão quinzenalmente, abordarão diferentes temas, contemplando o primeiro módulo do curso. Solos, planta forrageira, a vaca leiteira, planejamento forrageiro, implantação de pastagens, manejo de pastagens, ambiência e bem-estar animal, dieta de vacas leiteiras e “Gestão da atividade leiteira: fazendo a coisa certa”, serão os assuntos tratados nas próximas aulas.

 

O curso tem metodologia teórico-prática. Todos os assuntos tratados nas videoaulas, que foram gravados por profissionais da Emater/RS-Ascar, serão aplicados nas propriedades rurais. Os jovens participantes dessa atividade também serão inseridos no Programa Gestão Sustentável da Agricultura Familiar, da Secretaria Estadual de Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo (SDR), que é executado pela Emater/RS-Ascar.

Gostou? Compartilhe