Caminhoneiros encerram paralisação na região

Movimento perdeu força no decorrer da tarde. PRF escoltou veículos pela BR 285 para evitar confrontos

Escrito por
,
em
Polícia Rodoviária Federal acompanhou retorno dos caminhoneiros à estrada

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Após dez dias de protestos, a Operação Corredores Seguros, colocada em prática no início da tarde de ontem (quarta), liberou 25 pontos de concentração de caminhoneiros no Estado. Em Passo Fundo, os manifestantes deixaram a BR 285 e ERS 324, no final da tarde, e encerraram a greve.


Desencadeada pela Polícia Rodoviária Federal, Brigada Militar e Exército, os policiais escoltaram motoristas dispostos a seguirem viagem pelas rodovias federais que cortam o Rio Grande do Sul. Além da escolta em comboios, as forças de segurança se concentraram nos principais pontos de manifestações.
Na região de Passo Fundo, a escolta dos veículos teve início por volta das 13h, com o fim dos protestos nas cidades de Carazinho, Soledade, Fontoura Xavier, Tio Hugo e Lagoa Vermelha. Os motoristas que partiram destes locais e seguiram viagem em direção a Passo Fundo, foram abordados pelos manifestantes no quilômetro 301, da BR285, onde acontecia a maior concentração de caminhoneiros no município. Um deles era João Gilson, morador da cidade de Uberaba, Minas Gerais. Ele descarregou na cidade de Carazinho e ficou preso no protesto desde o primeiro dia da greve.
Ao chegar em Passo Fundo, foi novamente abordado. Mesmo contrariado, decidiu estacionar. Cerca de 10 minutos depois, com a chegada de uma viatura da Polícia Rodoviária Federal, Gilson embarcou e seguiu viagem. Assim como ele, diversos motoristas, que recém haviam parado, aproveitaram a presença dos policiais e retornaram para a estrada.
No entanto, a adesão dos caminhoneiros já paralisados em Passo Fundo foi baixa no início da tarde. No local desde o início da greve, Renan de Oliveira Rodrigues, chegou a afirmar que a intenção dos motoristas era permanecer na rodovia pelo menos até segunda ou terça-feira da próxima semana. "A informação no momento, que estão nos repassando é essa. Se tiver que ficar vamos ficar" afirmou.
Com o enfraquecimento do movimento em toda a região, no decorrer da tarde, esta previsão acabou não se confirmando. A concentração em Passo Fundo foi perdendo força e acabou desfeita até o início da noite. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal, a volta dos caminhoneiros para a estrada foi pacífica na região. O mesmo aconteceu com o ponto na RS 324, trevo do Ricci. Segundo a Polícia Rodoviária Estadual, os manifestantes deixaram o local por volta das 17h30.

Pontos desmobilizados, conforme a PRF

BR 285 Carazinho;
BR 386 Soledade;
BR 386 Tio Hugo;
BR 386 São José do Herval;
BR 285 Passo Fundo;
BR 158 Cruz Alta;
BR 116 Vacaria;
BR 285 Vacaria;
BR 116 Vacaria;
BR 285 Lagoa Vermelha;
BR 153 Erechim;
BR 470 Bento Gonçalves;
BR 101 Três Cachoeiras;
BR 285 São Borja;
BR 285 Ijuí
BR 285 Caseiros;
BR 101 Osório.
BR 386 Fontoura Xavier;
BR 287 Jaguari;
BR 287 São Pedro do Sul;
BR 290 Vila Nova do Sul;
BR 158 Itaara;
BR 158 Júlio de Castilhos;
BR 392 Santana da Boa Vista
BR 287 São Vicente do Sul

BM já escoltou 1,2 mil caminhões
O Gabinete de Crise do Estado divulgou, no começo da tarde de quarta-feira (30), um novo balanço das ações executadas. Desde o último domingo (28), até ontem, (quarta), a Brigada Militar e o Corpo de Bombeiros já haviam escoltado 1.220 caminhões para todas as regiões do Estado. Deste total, a maioria (805) estava carregada com combustível. O restante continha ração para animais (204), gás (59), resíduos (43), alimentos (38), leite (19), insumos para tratamento de água (12), carne (12), animais/carga viva (9), grãos (8), materiais médicos e medicamentos (3), e outros (8).


Circulação de caminhões com combustível já chega a 60%
A Associação Nacional das Distribuidoras de Combustível, Lubrificantes, Logística e Conveniência (Plural) informou ontem (30) que o abastecimento dos postos de combustíveis do país começa a voltar à normalidade. Segundo a entidade, que representa o segmento de refino de petróleo e armazenamento e distribuição de combustíveis e biocombustíveis, a circulação de caminhões-tanque já chega a 60% da movimentação habitual nas regiões Norte, Nordeste e Sudeste.A Federação Nacional do Comércio de Combustíveis e de Lubrificantes (Fecombustíveis) também informou que a situação nos postos revendedores começa a ser normalizada.
Segundo a Petrobras, a paralisação de 72 horas dos petroleiros, que iniciouontem não terá impactos na produção de combustível no país. “Estamos observando e trabalhando para evitar qualquer impacto na produção”, disse o diretor executivo da Petrobras, Nelson Luiz Silva.

Aeroportos
Ainda de acordo com a Plural, as operações estão sendo gradualmente normalizadas nos principais aeroportos, possibilitando o restabelecimento da malha aérea. Responsável pela gestão de 54 aeroportos brasileiros, a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) ainda falta combustível em nove localidades: Belém (PA), no aeroporto Brigadeiro Protásio de Oliveira; Campina Grande (PB); Imperatriz (MA); Juazeiro do Norte (CE); Londrina (PR); Montes Claros (MG); Palmas (TO); São José dos Campos (SP) e Uberlândia (MG).

 

Gostou? Compartilhe