Software monitora gestão de dejetos dos porcos para preservar meio ambiente

Parceria foi assinada entre Fepam e Embrapa para utilizar a ferramenta no RS

Escrito por
,
em
Ferramenta permite dosar dejetos usados na fertilização do solo na suinocultura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Um novo software de monitoramento vai melhorar a gestão ambiental da suinocultura no Rio Grande do Sul. Com a ferramenta, os técnicos da Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam) poderão monitorar áreas nas propriedades rurais onde são aplicados os dejetos da criação de porcos para não haver impacto ambiental nas lavouras. O convênio foi assinado pela Fepam e a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) nesta quinta-feira (12).

 

A tecnologia permite dosar a quantidade de esterco utilizada no solo para que seja absorvida pela cultura sem contaminar o meio ambiente. "A saturação do solo representaria risco de contaminação do lençol freático, comprometendo os recursos hídricos tanto superficiais como subterrâneos", explica o chefe da Divisão de Licenciamento de Criações da Fepam, Arno Kayser.

 

Conforme a coordenadora do Balcão de Licenciamento Ambiental Unificado Sema/Fepam do Noroeste, Elenir Dahmer Linauer, a metodologia usada até agora para controlar a atividade no licenciamento ambiental era apenas apresentar a área suficiente de utilização dos excrementos para fertilizar o solo.

 

De acordo com Linauer, o uso adequado dos dejetos potencializa outras matrizes produtivas, como ocorre na produção leiteira, uma vez que a característica química dos dejetos da suinocultura - quando usada como fertilizante -, alcança resultados positivos na produção das pastagens que alimentam o gado. A suinocultura é uma importante matriz produtiva do estado e base econômica de dezenas de municípios.

 

A parceria ainda abre a possibilidade de cooperação para a destinação de animais mortos, outra preocupação ambiental vigente no RS. Para a secretária do Ambiente e Desenvolvimento Sustentável e diretora-presidente da Fepam, Ana Pellini, a ferramenta aperfeiçoará o processo de licenciamento ambiental. Segundo o Sindicato das Indústrias de Produtos Suínos, os produtores estão preparados para consolidar o uso do software nas propriedades. 

 

Gostou? Compartilhe