Stadbus diz que vai participar do novo processo licitatório

Impedimento por improbidade administrativa caiu em decisão recente da Justiça

Escrito por
,
em
Novo edital ainda não tem prazo para ser publicado

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Sem impedimento legal, a Stadtbus Transportes, de Santa Cruz do Sul, afirma que participará do próximo processo licitatório para realização do transporte de passageiros de Passo Fundo. O assunto voltou à discussão nesta semana, após o Tribunal de Contas do Estado (TCE) apontar irregularidades no edital da Prefeitura para concessão do serviço. Após a decisão, o Executivo assegurou a elaboração de um novo edital, corrigindo as inconsistências destacadas pelo TCE.

Com o anúncio da Prefeitura, o caso ganha novos contornos. Primeiro porque há uma liminar no Tribunal de Justiça (TJ-RS) suspendendo o edital. A ação, movida pela Coleurb, pede a anulação da licitação. No processo, a empresa de Passo Fundo apontava que os ex-sócios da Stadtbus haviam sido condenados, em primeira instância, por improbidade administrativa e que, por isso, a empresa não poderia participar do certame. A liminar foi expedida pela juíza Rossana Gelain, da 1ª Vara Cível Especializada em Fazenda Pública. Se a prefeitura lançar nova licitação, o processo do TJ perde a validade do objeto.

Além disso, a premissa de que a Stadtbus não poderia participar da licitação em função da condenação de seus ex-sócios em outro processo por improbidade administrativa também caiu. Em 23 de abril, o juiz Jerson Moacir Gubert, acatou recurso interposto pela defesa e determinou o efeito suspensão da decisão que proibia os réus de contratar com o Poder Público pelo período de cinco anos. A defesa alegava, no recurso, a demora da Justiça Federal em sentenciar, em caráter absoluto, a condenação ou absolvição dos envolvidos.  

Improbidade administrativa

Em primeira instância, os réus foram condenados, ainda em 2015, em ação civil pública movida pelo Ministério Público (MP-RS). O processo, que tramita desde 2008, envolve irregularidades na contratação de uma empresa de terraplanagem pela Prefeitura de Alvorada. Os ex-sócios da Stadtbus são acusados no processo como representantes da empresa de terraplanagem. O Executivo, após ter o primeiro edital anulado, contratou essa empresa em regime de urgência – situação em que a licitação é dispensada – para realização de serviços no aterro sanitário da cidade. Porém, de acordo com o MP, não foi feito nenhuma pesquisa de preços e os valores praticados por esta empresa foram consideravelmente superiores aos do mercado.

A sentença, do juiz Roberto Coutinho Borba, foi pela proibição, dos representantes da empresa de terraplanagem, de contratar com o Poder Público por cinco anos e pelo ressarcimento (R$ 176,3 mil, mais correção monetária do período desde 2007, quando o contrato foi celebrado). Além dos ex-sócios, foram acusados no processo servidores do município envolvidos na contratação da empresa. A três servidores houve a suspensão dos direitos políticos por cinco anos e multas.

Envolvimento dos ex-sócios

Na ação contra a licitação do transporte em Passo Fundo, a Coleurb alega a inidoneidade da Stadtbus em participar do certame. Além da condenação em primeira instância pelo caso do aterro sanitário de Alvorada, a Coleurb argumenta que houve uma “simulação na venda das cotas sociais de referida empresa”. Na Receita Federal, não consta o nome de nenhum dos envolvidos no processo de improbidade administrativa como sócio da Stadtbus. Para a empresa de Passo Fundo, os novos cotistas da Stadtbus possuem parentesco com os ex-sócios.

Contraponto

A Stadtbus foi procurada para falar a respeito do processo judicial. A assessoria jurídica informou que confia no reconhecimento dos seus direitos pelo poder judiciário e não se manifestará antes da decisão judicial. Também disse que não possui nenhum impedimento para participar de licitações e que, se a Prefeitura de Passo Fundo publicar novo edital, deverá sim participar.

Relembre

O edital para a concessão do serviço de Transporte Público de Passo Fundo foi lançado no dia 26 de outubro do ano passado. Mas, a preparação para o processo começou ainda em 2013. De lá até a publicação do edital, foram realizadas audiências públicas em diferentes regiões e segmentos. Foi contratada a consultoria da equipe técnica da UFRGS, por meio do Departamento de Engenharia de Produção e Transportes da Escola de Engenharia, que auxiliou no projeto de lei do Marco Regulatório do Transporte Coletivo Público, posteriormente aprovado pela Câmara de Vereadores. A consultoria ainda indicou a necessidade de contratação de uma empresa especializada para o último estágio do processo: a licitação. A partir disso, foi contratada a empresa Matricial, que realizou um inventário do sistema atual e a demanda a ser explorada, pesquisa de campo, modelagem e alternativas de sistemas para elaborar a minuta do edital e o contrato. Após, a Procuradoria-Geral do Município avaliou o conteúdo para encaminhar para a publicação.

Gostou? Compartilhe