Trigo terá 13 dias de campo no PR

O Paraná deve iniciar a colheita de aproximadamente 1 milhão de hectares nas próximas semanas

Escrito por
,
em

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), a Fundação Meridional e outros parceiros estão promovendo 13 dias de campo sobre a cultura do trigo no Paraná, na safra 2018. Os eventos serão realizados de julho até outubro, nas diferentes regiões produtoras do estado que lidera a produção de trigo no País. Os dias de campo terão enfoque nas cultivares de trigo desenvolvidas para a região, além de manejo fitotécnico, entre outros temas de interesse para cada região.


O Paraná deve iniciar a colheita de aproximadamente 1 milhão de hectares nas próximas semanas. De acordo com o Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria da Agricultura do Paraná, a colheita estimada é de 3,3 milhões de toneladas, o que representa 50% mais que na safra anterior (2,3 milhões de toneladas), que foi prejudicada pelo clima. Confira a programação completa.


Cultivares em destaque - De acordo com o pesquisador Manoel Bassoi, a cultivar BRS Sanhaço é um trigo de ciclo médio com maturação fisiológica aproximada de 112 dias e com alto potencial produtivo. “Esse trigo tem boa capacidade de perfilhamento em regiões mais frias, apresentando boa sanidade em relação às manchas foliares, ferrugem e giberela além de ser resistente a debulha natural”, explica Bassoi. A cultivar apresentou produtividade média nos ensaios de 6.817 kg/ha na  região tritícola 1 de Santa Catarina.


A BRS Atobá é outro destaque que está sendo apresentada. O lançamento da cultivar será em 2019.  A cultivar é da classe pão/melhorador, por isso, apresenta boa qualidade para uso em panificação e também sua farinha pode ser usada em misturas com farinhas com menor força de glúten.  A cultivar está sendo indicada para todas as regiões do Paraná e Região 3 do Mato Grosso do Sul. Só para se ter uma ideia do potencial produtivo desse lançamento, segundo Bassoi, na média de dois anos, o rendimento de grãos foi  de 5.007 kg ha-1, na Região 1. Na Região 2, o rendimento foi de 4.839 kg ha-1. O rendimento de grãos na Região 3 do Paraná foi de 3.840 kg ha-1 e na Região 3 do Mato Grosso do Sul, o rendimento médio de  grãos foi  de 3.218 kg ha-1. 

 

De acordo com Bassoi, a cultivar apresenta ciclo precoce, muito desejado pelos agricultores. É resistente ao acamamento e tem uma boa tolerância à germinação pré-colheita. Com relação à sanidade, a cultivar apresenta resistência ao oídio, boa resistência à ferrugem da folha e moderada resistência às manchas foliares e giberela.

Gostou? Compartilhe