AirAsia: 16 corpos já foram retirados do mar

Ao menos 30 barcos e 17 aviões dos Estados Unidos, da Austrália, de Cingapura, da Malásia e da China participam nas buscas pelas caixas-pretas do avião da AirAsia

Por
· 1 min de leitura
Crédito:

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

As autoridades indonésias elevaram hoje (2) para 16 o número de corpos retirados do mar durante as operações de busca pelo avião da AirAsia, que desapareceu no domingo (28), com 162 pessoas a bordo, no Mar de Java.

Segundo a Agência Nacional de Busca e Resgate da Indonésia, os serviços de emergência transportaram oito corpos para Surabaia, na Ilha de Java, onde foi montado o centro de operações, que concentra a maioria dos parentes das vítimas, enquanto outros dois estão na Ilha de Bornéu e seis em barcos.

Ao menos 30 barcos e 17 aviões dos Estados Unidos, da Austrália, de Cingapura, da Malásia e da China participam nas buscas pelas caixas-pretas do avião da AirAsia, sob condições meteorológicas relativamente boas, com ondas entre 2,5 metros e 3 metros.

Ontem  (1º), foi identificada a primeira vítima – Hayati Lutfiah Hamid –, enterrada numa cerimônia que reuniu familiares e amigos em Java Oriental. A sogra, o marido e um filho de Hayati também seguiam a bordo do Airbus 320-200.

Anteriormente, a vítima tinha sido identificada erroneamente pela imprensa local como a aeromoça Khairunisa Haidar Fauzi. As autoridades estimam que o avião esteja entre 30 metros e 50 metros de profundidade, ao Sul da Ilha de Bornéu.

O Airbus da AirAsia decolou no domingo da cidade indonésia de Surabaia. O voo duraria duas horas até Cingapura, mas caiu 40 minutos após a decolagem, no Mar de Java. A bordo seguiam 155 indonésios, três sul-coreanos, um britânico, um francês, um malaio e um cingapurense.

Agência Brasil

Gostou? Compartilhe