As semelhanças que unem duas cidades

Duas cidades similares, posicionadas em dois estados diferentes. Além da diferença geográfica e política, Passo Fundo e Chapecó têm muitos pontos em comum

Por
· 3 min de leitura
Prefeitura de Passo Fundo com bandeiras a meio mastro em sinal de luto

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Lado a lado, as três bandeiras posicionadas em frente da Prefeitura de Passo Fundo permaneceram a meio mastro nessa terça-feira (29). Eram parte de um contexto que se abateu sobre o país e, principalmente, a região: lamentavam a morte de 75 integrantes do avião que caiu a 30 quilômetros de Medellín, na Colômbia – voo que levava jornalistas, equipes técnicas e jogadores da Chapecoense, time da vizinha Chapecó (SC), para disputar a final da Copa Sul Americana.

 

O abatimento regional vai além da fronteira política e da pequena distância demográfica de 181 quilômetros entre os dois municípios. Passo Fundo e Chapecó são cidades parecidas; com semelhanças próprias – mesmo que cada uma em um estado federativo diferente.

 

De acordo com o historiador e professor da Universidade de Passo Fundo (UPF), Tau Golin, as regiões das duas cidades são basicamente as mesmas, sem distinções: formaram-se, em sua grande maioria, por índios caingangues – de quem herdou-se boa parte da culinária regional, além do hábito do chimarrão e a tradição de cultivo da erva mate; ponto enfático da cultura. Outra característica de destaque é o alto índice de emigração de famílias gaúchas em direção do oeste catarinense – principalmente para Chapecó, emancipado quando Passo Fundo já completava 60 anos.

 

O grande motivo para essa saída foi o esgotamento de terras nas colônias do Rio Grande do Sul, como explica o historiador. “Os filhos dos imigrantes que viviam no norte do RS, já sem terra e trabalhando como operários, buscaram emprego nos frigoríficos que começavam a se instalar naquela região. Esse movimento já era realizado anteriormente pelos caboclos”, explica. A chegada na região que se formava era sinônimo de prosperidade: empresas recém-instaladas disponibilizavam lotes para os migrantes, para que ali se acomodassem e continuassem trabalhando. “Estes filhos de agricultores, por volta dos anos de 1950, já tinham experiência com abate. As empresas viram neles a mão de obra que precisavam e investiram para que ali ficassem”, ressalta o historiador.

 

Mesmo mais jovem, Chapecó já conta com 10 mil habitantes a mais que Passo Fundo: soma 209,5 mil. As duas cidades eram quase equivalentes em 2010: eram mais de 184,8 mil passo-fundenses e pouco mais de 183,5 mil chapecoenses. Ainda assim, as semelhanças têm maior proporção: são duas cidades pólo em saúde e educação e, igualmente, chamam a atenção pelo desenvolvimento sócio-econômico. “Essa separação entre as duas cidades é meramente política. Do ponto de vista antropológico, sociológico e cultural, fazem parte da mesma conjuntura. É uma região de caboclos, de imigrantes, povoada por uma mescla de unidades. Não existe distinção. O fato de uns serem chamados sul-riograndenses e outros santa catarinenses é mera questão de limite político”, define.

 

Chapecó respira o Chapecoense”

“A primeira reação foi ver se aquilo tudo era verdade”, começa Luan Carlesso, que deixou Chapecó para estudar Medicina na UPF. “Parece mentira”, completa Janaíta Golin, que fez o movimento inverso: deixou Passo Fundo para trabalhar em Chapecó, na Universidade Federal Fronteira Sul (UFFS). O clima na cidade catarinense nessa terça-feira foi bem diferente do que se costuma ver em dias comuns: movimento quase que zerado, poucas vozes, comércio pacato.

 

Além do luto pelas 75 mortes, os moradores também passam pela experiência da reconstrução. “No momento em que o avião caiu estava dando um temporal muito forte por aqui. Temos pontos de alagamento, pessoas que precisaram ser atendidas, além de, claro, essa tragédia. Parece que estamos com 20% do que é o movimento normal da cidade. Tem gente com a camisa do time por toda parte, algumas crianças cantando o hino. O movimento no estádio é muito grande”, relata Carlesso.

 

“A cidade ama o Chapecoense. É a identidade de Chapecó. Chapecó respira o Chapecoense”, confirma Janaíta. O jornalista Pablo Lauxen, que deixou Passo Fundo para também trabalhar em Chapecó, concorda com esta afirmação. “Quando eu vim para cá, senti que a cidade respirava o time. Antes sentia uma polarização muito grande entre Grêmio e Inter, como é no Sul. Nos últimos anos o Chapecoense foi subindo da Série B para a Série A e a cidade foi se envolvendo.

 

É impossível alguém vir para cá e não se envolver com a história do time. Tem um apelo muito forte”, conta. Pablo trabalharia em um evento neste final de semana – mas ele foi cancelado. “Não existe clima para celebração”, completa. “Eu ainda não tive coragem de sair de casa hoje [ontem, terça-feira]. Todo mundo fala que a cidade está parada, vazia. Todo mundo está tentando entender o que aconteceu. Você viu ontem os jogadores, repórteres, dando entrevista, trabalhando, e hoje percebe que isso aconteceu. É uma espécie de negação”, pontua.

 

Gostou? Compartilhe