Cartilha do Câncer Infantojuvenil

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O Serviço de Oncologia Pediátrica do Hospital São Vicente de Paulo lançou a Cartilha do Câncer Infantojuvenil. A ocasião contou com a direção administrativa do HSVP, equipe multiprofissional do serviço e as crianças que receberam a visita de palhaços. O atendimento ao paciente pediátrico oncológico não se resume somente à medicação, ela vai além, para que a criança tenha qualidade de vida ela precisa de um acompanhamento de nutricionistas, fonoaudiólogos, fisioterapeutas, psicólogos, assistentes sociais, entre outros. O oncologista pediátrico Pablo Santiago, um dos idealizadores da cartilha, ressalta que o câncer está sendo encarado de maneira diferente do que era anos atrás. Hoje, a cura e a qualidade de vida do paciente já são possíveis. “Há cinco anos nosso serviço vem se estabelecendo como serviço de excelência para o tratamento de crianças com câncer. Nesse sentido, a cartilha vem para consolidar o esforço e o trabalho de toda a equipe e, especialmente, para orientar as famílias a aderirem ao tratamento e aos cuidados”, reforça.

Por ser referência, o HSVP atende pacientes de diversas regiões, principalmente, do norte e noroeste do estado do RS. No momento 40 crianças estão em tratamento no serviço e aproximadamente outras 100 estão na fase de acompanhamento junto a equipe. “A próxima etapa é a questão do esclarecimento dos profissionais de saúde da região, para que o diagnóstico precoce seja realizado, aumentando assim as chances de cura e diminuindo a possibilidade de mortalidade. Em adultos nós temos a possibilidade de prevenção, já em crianças não é possível realizar uma prevenção primária, por isso que o diagnóstico precoce faz toda a diferença”, explica o oncologista pediátrico.

O tratamento de crianças é delicado e precisa muito de amparo e atenção, para que os pequenos passem por este momento difícil sem perder a qualidade de vida. “Vale ressaltar o trabalho das psicólogas junto às famílias e crianças, pois nesse momento delicado é preciso cuidar também do íntimo”. Santiago ressalta ainda o trabalho da assistência social no que compete os direitos da família e da criança com câncer.

Para os palhaços que estiveram presentes no lançamento ficou a cargo o riso e a diversão das crianças que entraram na brincadeira. A pequena Eduarda Bueno Mouro, de nove anos, há um ano em tratamento, disse em meio a sorrisos que gostou da visita dos palhaços e de toda a equipe. “Eu sempre venho aqui na segunda-feira, mas hoje eu vim para ver o lançamento. Eu gostei muito dos palhaços. Eles são bem divertidos”.

Gostou? Compartilhe