Cinco pessoas morrem em terremoto no Chile

O terremoto, de magnitude 8,3 na escala Richter, atingiu a área próxima à cidade de Iquique - principal porto mineiro e exportador -, provocando ondas de 1,8 metro de altura

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O governo chileno confirmou nesta quarta-feira (2) que cinco pessoas morreram no terremoto que sacudiu o Norte do Chile na noite dessa terça-feira (1º). O terremoto, de magnitude 8,3 na escala Richter, atingiu a área próxima à cidade de Iquique - principal porto mineiro e exportador -, provocando ondas de 1,8 metro de altura. O terremoto foi registrado a cerca de 86 quilômetros a noroeste da cidade de Iquique, cujas ruas vão ser patrulhadas pelo Exército. A Força recebeu ordens para vigiar a área, a fim de garantir a ordem pública e prevenir roubos na cidade, onde mais de 300 detentos fugiram da prisão.

O Instituto Geológico dos Estados Unidos, que monitora a atividade sísmica mundial, mudou de 8 para 8,2, durante a madrugada, a magnitude do tremor. De acordo com o Centro de Alerta de Tsunamis do Pacífico, foram registradas ondas de até 2,11 metros na costa do Chile, que sofreu pelo menos 20 tremores.

A presidenta do Chile, Michelle Bachelet, decretou estado de catástrofe natural no Norte do país, afetado pelo terremoto. "Decretei estado de catástrofe natural em Arica, Parinacota e Tarapacá", declarou a chefe de Estado, minutos antes de assinar o decreto presidencial.

Milhares de pessoas foram retiradas, após uma ordem de evacuação dirigida à orla costeira, decretada pouco depois do abalo que destruiu casas, provocou bloqueios em estradas, incêndios, apagões elétricos, bem como deslizamentos de terra.

Tsunami

Após alerta de tsunami, a Administração Oceânica e Atmosférica (Noaa) dos Estados Unidos cancelou o aviso emitido para o Chile e outros países da costa do Pacífico, apesar de manter um aviso para o Havai. 

"Com base nos dados disponíveis, não se espera [a ocorrência de] um grande tsunami no estado do Havai. Contudo, o nível do mar muda e poderão ocorrer fortes correntes ao largo da costa,", indicou a Noaa em seu portal na internet.

Na sequência do forte abalo sísmico, foi emitido alerta de tsunami para o Chile, Peru e Equador, bem como um aviso para a Colômbia, o Panamá, a Costa Rica, Nicarágua e El Salvador.

O Chile é um dos países com maior atividade sísmica do mundo. Em fevereiro de 2010, o Centro e o Sul foram atingidos por um forte abalo de 8,8 graus, seguido de um tsunami que devastou dezenas de cidades,  deixou mais de 500 mortos e prejuízos de US$ 30 bilhões.


*Com informações da Agência Lusa

 

Gostou? Compartilhe