De Passo Fundo para o Papa

Jovem da cidade foi escolhido pela Arquidiocese para participar das atividades da JMJ no palco

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Ele tem 26 anos e dedicou treze à Igreja. Jandercel Felini trabalha, faz faculdade de Engenharia Elétrica e, ainda, é um dos jovens que se prepara para a Jornada Mundial da Juventude, no fim do mês. Para ele, a expectativa é diferente: foi selecionado, pela Arquidiocese, para representar Passo Fundo e região, nos Atos Centrais do evento. Isso quer dizer que ele vai ficar no palco, junto com o Papa, em grande parte das atividades. 

A escolha é resultado de um trabalho que iniciou há algum tempo atrás, na catequese. “Entrei na catequese porque minha mãe me levou. Não gostei. A catequese pra mim era chata”. A família mudou de cidade e, então, distante daqui, Jander encontrou aquilo que sentia falta: “Lá participei de uma catequese mais pesada, sentia uma responsabilidade, tinha tarefas pra fazer, coisas pra estudar, as missas eram animadas e eu fiquei contagiado com a alegria e com o conhecimento bíblico passado pra mim”. Ao voltar para cá, pouca coisa havia de diferente: “Voltamos e a catequese não havia mudado por aqui, mas meu coração sim. Surgiu a vontade de montarmos um grupo de jovens, mas de todos que participavam, apenas mais duas pessoas queriam montar um grupo comigo, então o grupo não surgiu”.

Sem um grupo, Jander concluiu a catequese e não se envolveu em qualquer atividade da Igreja. O Curso de Liderança Juvenil, CLJ, surgiu na vida dele quando os pais foram convidados para participar do Cursilho - movimento destinado aos casais - e lá descobriram a existência de um grupo de jovens. “Fui numa tarde de sábado, cheguei atrasado, nem queria entrar, pois a ansiedade e vergonha por estar atrasado era grande. Vi um monte de jovens no Sacrário e voltei pra sacristia e meu pai me empurrou pro sacrário de volta.” Aí, as coisas começaram a mudar: “Um jovem veio me acolher bem animado enquanto já se iniciavam os cantos e me senti muito a vontade naquele clima. Violões, palmas, alegria, enfim, uma juventude vibrante.”

Curso de Liderança Juvenil
Aos poucos, o jovem foi se encaixando. As primeiras atividades, no entanto, foram complicadas: “Na primeira reunião de grupo que participei, lembro que nos foi dada a atividade de comentar sobre o que entendemos do Evangelho, o que ele falou ao meu coração e eu estava vermelho, envergonhado, mas comentei e logo depois uma menina que coincidentemente era minha colega me disse que era pra eu "calar a boca" porque eu já falava demais no colégio... e eu achando que falava pouco”. O silêncio, nesse tempo, prevaleceu: “Acredito que fiquei meio ano participando do CLJ no mais absoluto silêncio, até que comecei a tomar coragem e de abrir meu coração novamente”.

A matéria completa você confere nas edições impressa e digital de O Nacional.  Assine Já

Gostou? Compartilhe