Esclarecendo dúvidas sobre o vale-alimentação

Para entender como funciona este benefício e quem tem direito, o Jornal O Nacional, conversou com especialista

Por
· 3 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A possível mudança no vale-alimentação dos servidores municipais gera polêmica na categoria. O município segue as leis nº 2.857 e a n° 2.864, ambas de 1993, que determinam o pagamento do ticket alimentação, para os servidores que estiverem licenciados, afastados ou inativos. O Sindicato dos Servidores Municipais (Simpasso) tornou público um documento, que seria a minuta de um projeto de Lei do Executivo, que altera a legislação em vigor e cogita o fim do pagamento do auxílio-alimentação para o servidor ativo que faltar o serviço, estiver de atestado médico, licença saúde, licença maternidade, licença prêmio, acidente de trabalho, férias e também para os novos servidores aposentados. O Simpasso é contra esta medida.

O Executivo diz que não existe projeto de lei, apenas um estudo. É este estudo que tem motivado o prefeito Luciano Azevedo a debater o tema com os servidores, prestando informações e colhendo sugestões. O debate tem por base apontamentos do Tribunal de Contas do Estado que diz que o pagamento do vale alimentação para quem não está trabalhando é ilegal. Motivado por este apontamento, o prefeito de Carazinho Renato Süss determinou o corte do vale alimentação para os servidores aposentados. A determinação gerou protestos em frente a prefeitura do município, na sexta-feira.

Quais são as regras gerais

Para entender melhor sobre os aspectos gerais do vale-alimentação e suas regras, o Jornal O Nacional, entrevistou a advogada, ex-presidente da OAB e professora universitária, Cinara Frosi Tedesco. Conforme a advogada, o vale-alimentação não é uma obrigação legal do empregador. O benefício só é obrigatório caso estiver previsto nas convenções coletivas de trabalho de cada setor, no dissídio das categorias, ou ainda, no contrato de trabalho. “Tem determinadas categorias que exigem o pagamento do vale-alimentação ou até o fornecimento de alimentação. A consolidação dos direitos trabalhistas não exige o pagamento do ticket alimentação”, explicou a advogada.

A advogada salientou que o governo federal oferece o Programa de Alimentação do Trabalhador (PAT), instituído pela Lei nº 6.321, de 14 de abril de 1976 e regulamentado pelo Decreto nº 5, de 14 de janeiro de 1991. “Este programa incentiva as empresas a fornecerem refeições ou vale-alimentação aos trabalhadores. Essa lei foi criada para melhorar a alimentação do trabalhador, facilitar que o funcionário se alimente na empresa e não perca tempo com deslocamento. Além disso, as empresas que aderem ao programa ganham benefícios fiscais”, salientou Cinara.

O vale-alimentação deixa de ser verba indenizatória e entra como parte integrante do salário quando as empresas fornecem o benefício e não descontam do salário dos funcionários.  De acordo com a advogada, o PAT, veio justamente proteger as empresas de ações trabalhistas. “Quando o vale-alimentação não é descontado do funcionário, ele é considerado um pagamento in natura e neste caso, assume caráter salarial e deve integrar a base de cálculo para pagamento de verbas como décimo terceiro, férias, horas extras, entre outros. Este benefício tem que estar previsto como verba indenizatória, caso contrário, o funcionário pode pedir na Justiça a integração deste valor que é pago in natura”, explicou Cinara.

 

Vale-refeição/ vale-alimentação

Vale-refeição é o termo utilizado para o benefício dado aos empregados para que eles se alimentem no período de trabalho em restaurantes, lanchonetes e padarias que façam parte da rede da empresa responsável pelo repasse do dinheiro. O vale-alimentação destina-se para compras realizadas em supermercados. São as convenções coletivas que indicam o valor mínimo do benefício a ser dado para o trabalhador. As empresas que oferecem alimentação aos seus funcionários  (em refeitórios) estão liberadas da obrigação. O desconto na folha salarial do empregado é limitado a 20%. A única obrigação prevista em lei é a de que empresas com mais de 300 empregados providenciem um local adequado para a realização das refeições durante a jornada do trabalho. A Norma Regulamentadora Nº 24 lista todas as especificidades deste dever.

Leis em vigor no município:

 

Lei municipal nº 2857, de 24 de março de 1993, institui o Programa de Alimentação aos Servidores do Município de Passo Fundo:

- Terá direito a percepção integral do benefício, os servidores ativos em licença para tratamento de saúde, licença gestante ou paternidade, férias, licença prêmio e acidente de trabalho.

- O benefício terá caráter indenizatório, não se incorporando à remuneração do servidor para quaisquer efeitos e sobre ele não incidirão contribuições fiscais, tributárias e previdenciárias.

 

Lei municipal n° 2864, de 18 de maio de 1993, institui o bônus-refeição aos servidores municipais inativos:

- O benefício consiste na percepção de um bônus-refeição pago em pecúnia, até o dia 15 de cada mês, a todos os servidores públicos municipais inativos pagos pelos cofres municipais, na mesma proporção e nos mesmos valores que o auxílio pecuniário dos servidores municipais da ativa.

 

A matéria completa você confere nas edições impressa e digital de O Nacional.  Assine Já

Gostou? Compartilhe