?EURoeFicou claro que a indicação se deu por um suposto alinhamento ideológico

Primeiro colocado na lista tríplice da UFFS recebeu 54,1% dos votos e não foi nomeado

Por
· 3 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?
 Na lista tríplice encaminhada pelo colegiado eleitoral ao Ministério da Educação (MEC), no dia 27 de junho, o então diretor do campus Erechim e professor doutor em Física, Anderson Ribeiro, liderava a eleição para ocupar a cadeira da Reitoria da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) com 54,1% dos votos válidos. O Presidente da República, Jair Bolsonaro, no entanto, nomeou o terceiro colocado na lista tríplice, Marcelo Recktenvald, que tomou posse na quarta-feira (4), na sede do Ministério da Educação (MEC), em Brasília. 
Em entrevista concedida ao jornal O Nacional, Ribeiro acredita que a nomeação do menos votado para a nova gestão se deu por caráter ideológico.
JORNAL O NACIONAL: Professor, como foi esse processo de aliança para a chapa ao lado da professora Lísia Regina Ferreira?
ANDERSON: Nossa aproximação, das pessoas que organizaram o coletivo UFFS PLURAL, iniciou pelas direções de alguns campi. Propus, logo em 2015, a criação de um fórum de articulação das Direções, para tratar de nosso trabalho cotidiano de gestão. Foi muito produtivo e fomos convergindo em propostas, em formas de fazer a administração e principalmente no que se considera prioritário para a gestão central da Universidade. Deste início o coletivo foi ampliando e agregando pessoas de todos os segmentos da comunidade acadêmica, culminando no anúncio público de convite para a debate "A UFFS que queremos" no dia 15 de fevereiro e lançamento do coletivo.
ON: O que vocês consideram prioritário para a gestão central da UFFS, professor?
ANDERSON: Além do compromisso com a Educação Pública e gratuita, com liberdade de cátedra, de pesquisa, de debate e que busque a plena autonomia universitária. A gestão central deve ser pautada, no nosso entendimento, em alguns princípios, que apresentamos na nossa campanha. Em suma, uma gestão democrática, participativa, que valorize as pessoas e seu capital intelectual
 Que tenha como instrumento de gestão o próprio conhecimento acadêmico e seus métodos, com foco no pleno desenvolvimento das atividades fim: ensino, pesquisa e extensão.
ON: E como foi recebida a notícia da nomeação do professor Marcelo, mesmo sem ele ter chegado ao segundo turno?
ANDERSON: A comunidade recebeu com estarrecimento e perplexidade num primeiro momento, mas que logo se transformou em uma reação de defesa da autonomia e democracia universitária, pelo que a nomeação representa em termos do desrespeito arbitrário aos processos democráticos e participativos. A indicação de outro nome da lista tríplice que não o primeiro, injustificadamente, significa um projeto de gestão não aprovado pela comunidade acadêmica.
ON: Pode-se dizer, então, que essa indicação do menos votado foi ideológica?
ANDERSON: Recebemos, inicialmente, a notícia com certa surpresa, [como dito anteriormente] embora soubéssemos da possibilidade. Primeiramente, visto que recebemos contatos do MEC na quarta-feira, organizando a solenidade de posse para o dia 04/09, 17h em Brasília, mas principalmente porque o processo de consulta e de composição da lista tríplice foi um processo realizado dentro dos marcos legais, sem problemas judiciais, foi um processo democrático e participativo. Mas logo ficou claro que a indicação se deu por um suposto alinhamento ideológico entre o terceiro colocado na lista tríplice e o governo federal. Um comprometimento com pautas do governo que não são as pautas da Universidade, discutidas publicamente no processo eleitoral.
ON: O MEC contatou vocês? O que foi dito, especificamente, professor? Algo que confirmasse a nomeação da chapa?
ANDERSON: Sim, o MEC nos contatou na quarta e na quinta. Várias ligações e mesmo e-mail. Não houve confirmação explicita de nomeação, mas havia organização de preparativos protocolares.
ON: Já que estamos falando no Ministério da Educação, o professor Marcelo recebeu do ministro Abraham Weintraub o termo de posse e os estudantes organizaram uma ocupação do prédio da Reitoria. Eles ainda permanecem lá?
ANDERSON: Sim. Os estudantes em, geral, como professores e técnicos, ficaram indignados com a nomeação. Os estudantes encontraram na ocupação uma forma de protesto e mecanismo de exigir a restituição da democracia. Continuam, sim, ocupando a reitoria, em tentativas, até onde sei, de diálogo com o prof. Marcelo.
ON: Entre as pautas discutidas nessa mobilização de acadêmicos e docentes, existe a possibilidade de sugerir a destituição do novo reitor?
ANDERSON: Existe a previsão estatutária de destituição, que deve ser feita pelos conselheiros do Consuni [Conselho Universitário]. Mas, não sei se isso está em pauta. A pauta me parece superior, do próprio processo de nomeação.
ON: Nesse cenário de manifestações e repúdios, o que se pode esperar para o futuro da educação e da própria UFFS?
ANDERSON: O cenário nacional é muito preocupante. Tivemos muitos cortes esse ano, tanto na educação quanto no financiamento da ciência e tecnologia. A proposta orçamentária do próximo ano, encaminhada ao Congresso Nacional, apresenta uma forte diminuição das verbas de Assistência Estudantil e de custeio de nossas atividades. As manifestações são um alento, acendem uma esperança de defesa da educação e da ciência, que são fundamentais para o desenvolvimento do país e para o combate às desigualdades.
 .
Gostou? Compartilhe