Farmácias privadas poderão aplicar doses de vacina da gripe pelo SUS

Os insumos distribuídos pelo poder público deverão ser ofertados gratuitamente e somente ao público-alvo da campanha

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

As farmácias privadas que tiverem interesse e estrutura profissional suficiente poderão aplicar doses da vacina que protege contra a Influenza durante o período da Campanha Nacional de Vacinação da Gripe deste ano. O período se inicia nesta segunda-feira (23) e segue até 22 de maio.

A Portaria da Secretaria da Saúde (SES) que regula a parceria o governo do Rio Grande do Sul e as farmácias privadas, foi publicada na sexta-feira (20). A resolução tem caráter excepcional, em decorrência da pandemia da Covid-19 e da situação de calamidade pública vigente no Estado, e busca evitar aglomerações nos postos de saúde.

Os insumos distribuídos pelo poder público deverão ser ofertados gratuitamente e somente ao público-alvo da campanha.

Profissionais da saúde e idosos são a primeira etapa

Nesta segunda-feira (23), a Campanha Nacional de Vacinação abre para idosos e profissionais da saúde. O segundo grupo, a partir de 16 de abril, é formado por professores e profissionais das forças de segurança e salvamento, além de doentes crônicos.

Na terceira fase, que começa no dia 9 de maio, mesma data do Dia D de mobilização, estão crianças de seis meses a menores de seis anos, gestantes, puérperas, povos indígenas, adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade sob medidas socioeducativas e população privada de liberdade.

Esta é a 22ª edição da campanha de vacinação, que neste ano foi antecipada devido à pandemia do novo coronavírus (Covid-9), apesar da vacina não prevenir contra o novo vírus. Com isso, pretende-se proteger a população contra a influenza, além de minimizar o impacto sobre os serviços de saúde.

Os sintomas da gripe são semelhantes aos do coronavírus e essa antecipação visa reduzir a circulação de influenza na população.

 

Gostou? Compartilhe