Melhora o reaproveitamento do lixo na Central de Triagem

Recibela passou de 19 para 35 pessoas o número de pessoas contratadas, ampliando a capacidade de reciclagem

Por
· 1 min de leitura
Glenda Vivian

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Desde que a Prefeitura de Passo Fundo teve a iniciativa inédita de formalizar contrato com uma cooperativa de recicladores, cerca de 50 toneladas de lixo são reaproveitadas mensalmente dentre os resíduos que chegam até a Central de Triagem e Transbordo. Isso é possível porque, a partir do contrato, a Cooperativa de Recicladores Parque Bela Vista (Recibela) já conseguiu aumentar o número de trabalhadores de 19 para 35 pessoas.

Todo material que chega é triado e o que pode ser reaproveitado para venda é separado. Depois, cada tipo de resíduo, seja papel, plástico, vidro, metal é destinado para empresas que compram estes materiais para reaproveitá-los. “Hoje a Recibela consegue reaproveitar 50 toneladas por mês, sendo que a expectativa é ir ampliando conforme o número de trabalhadores aumentar. Os resíduos mais separados são papel, papelão, plástico, garrafas pet, latas de alumínio”, comenta o secretário de Meio Ambiente, Rubens Astolfi.

Além do apoio da Prefeitura, que oferece atenção especial a este assunto através da Secretaria do Meio Ambiente, a Recibela também conta com a orientação e monitoramento do projeto TransformAção, que auxilia nas ações. Por conta desse apoio e do empenho dos recicladores no período de vigência do contrato já foi possível aumentar a quantidade de material reciclado. “Mais do que a melhoria na quantidade de material reaproveitado, os recicladores agora contam com melhores condições de trabalho, maior autonomia no dia a dia da cooperativa e a remuneração mensal pelas obrigações assumidas”, salienta o secretário.

Colaborando com este aumento, a Prefeitura de Passo Fundo também já está elaborando um projeto para ampliar os pavilhões e instalar mais esteiras para a atividade de reciclagem, o que deve contribuir para que um maior número de recicladores possa começar a trabalhar junto à cooperativa.

Cada um fazendo a sua parte
Todo o lixo que é recolhido em Passo Fundo é levado até a Central de Triagem e Transbordo. Chegando lá, o material recolhido pela coleta seletiva vai diretamente para a separação. O restante  vai para a esteira e cada uma das sacolas ou sacos de lixo que a população deposita para recolhimento é aberto e o material reciclável é separado pelos cooperados. Dessa forma, se torna importante que as famílias façam a separação do lixo seco e orgânico em suas casas. “A separação dos resíduos nas residências facilita o trabalho de reciclagem realizado por todas as cooperativas, em especial a Recibela, por isso a importância da separação em resíduo orgânico e seco independente se possuir coleta seletiva no bairro”, destaca Astolfi.

Gostou? Compartilhe