Na maioria das vezes, doença nos rins é descoberta tardiamente

No Dia Mundial do Rim profissionais do Hospital São Vicente de Paulo se reuniram na praça Tamandaré para orientar a população sobre cuidados e prevenção

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Hipertensão arterial e diabetes melitus são os principais fatores de risco para doenças renais. Além disso, a perda da função renal é silenciosa, o que faz com que a maioria das pessoas somente procure auxílio médico quando o comprometimento do órgão é grande. Diante dessa realidade, diversos profissionais do Hospital São Vicente de Paulo (HSVP) aproveitaram a passagem do Dia Mundial do Rim (13 de março) para esclarecer à população cuidados e prevenção para estas doenças.

“Os portadores de hipertensão arterial, devem ter o cuidado adequado para controle e os portadores de diabetes melitus devem monitorar adequadamente essa condição, porque são as duas causas principais de perda de função dos rins”, explica o médico nefrologista Péricles Sarturi. De acordo com o especialista, devem entrar na lista de cuidados a manutenção de um peso adequado, hábitos alimentares saudáveis, ingesta de líquidos adequada e não usar medicamentos que possam vir a agredir o rim, “ou seja, não usar medicamentos que não tenham orientação médica”, completa.

Segundo Sarturi, evitar o tabagismo e praticar atividades físicas regulares também integram os itens de prevenção. “A grande preocupação nossa tem sido a hipertensão arterial e o diabetes melitus. Como nossa população em geral está ganhando peso, automaticamente as pessoas vão ter maior prevalência de hipertensão arterial e diabetes melitus e, consequentemente, mais doenças renais”, alerta o médico.

Quando o paciente é diagnosticado, a primeira ação é tentar resolver o problema associado para evitar que a doença evolua de maneira muito rápida. “O portador de hipertensão arterial que já tiver perda de função nos rins, por exemplo, terá que controlar, melhorar a pressão arterial e consequentemente ele vai ter mais arrastada a perda da função renal”, destaca. Nos pacientes que têm uma perda de função renal muito avançada, acima de 90%, a indicação é a hemodiálise. Para diabéticos e crianças, o tratamento é indicado em fase um pouco mais precoce, com perda de 85%.

Gostou? Compartilhe