O corpo e as relações humanas

Oficina de contato-improvisação, realizada às sextas-feiras no Centro Terapêutico Gaya, promove a troca de energia e o diálogo corporal entre os participantes

Por
· 3 min de leitura
Durante os encontros, os participantes são estimulados a trabalhar a consciência corporal

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Uma busca por movimentos livres, que rompe com os formatos tradicionais de dança e propõe a construção artística baseada no diálogo corporal. É essa a premissa principal da técnica de contato e improvisação – muitas vezes confundida com o teatro, por conta do nome –, que começou a ser promovida em Passo Fundo por meio de oficina, às sextas-feiras, no Centro Terapêutico Gaya. Os encontros acontecem semanalmente, a partir das 19h, ministrados pelo professor de Artes Cênicas Max Antunes.


O estilo de dança contato-improvisação tem como objetivo a troca e manipulação de energia entre os participantes e pode servir de porta para processos de criação dentro do teatro, por trabalhar a relação entre os indivíduos por meio do contato físico, em uma conversa que estimula a consciência corporal. Segundo o mineiro Max, a técnica possibilita verdadeiras transformações dentro dos grupos praticantes. “Um exemplo disso é o caso de uma companhia de teatro de Minas Gerais, chamada Luna Lunera, quando em um momento delicado do grupo um dos integrantes surgiu com a ideia de trabalhar a técnica no grupo e isso virou até mesmo um espetáculo”, relata. “Mas esse tipo de transformação, de diálogo e fortalecimento das relações, pode aparecer mesmo em grupos que não são de teatro e nem de dança”.


Nas aulas, que tiveram início na última sexta-feira (9), os participantes são estimulados a trabalhar a consciência corporal, a gestão e a harmonia nas relações interpessoais. O trabalho em dupla ou em grupo tem o peso e o contrapeso como elementos chaves para os movimentos improvisados, tornando o corpo consciente de seus próprios limites. “Especialmente nas primeiras aulas, a proposta é trabalhar justamente com o peso e contrapeso, para perceber a força que eu aplico junto ao colega e ele aplica em mim, possibilitando que o colega utilize meu corpo como apoio e equilíbrio”, explica o professor. É por isso, também, que a oficina é oferecida somente para pessoas acima de quinze anos, por questões de segurança, já que ter pessoas com estaturas muito diferentes dificultaria a prática. “Depois que o grupo já tiver tomado uma consistência e harmonia, pode ser que a gente abra para a participação de crianças, em momentos específicos”. O professor explica ainda que, embora não seja o objetivo principal desta oficina, a criação de peças e cenas a partir da técnica é algo que pode vir a acontecer depois de um tempo.


Para participar, não é necessário ter nenhum conhecimento prévio em teatro ou dança. Entre as particularidades da oficina, Max destaca que, mesmo se tratando de uma técnica de dança, a interferência da formação dele em Artes Cênicas pela Universidade Federal de Ouro Preto deve ser muito presente. “Por isso, vamos trabalhar com jogos cênicos. Na oficina, dialogamos muito sobre a prática. É uma coisa própria do contato e da improvisação, não apenas pela questão do teatro. Não é somente sobre dançar até cansar. É uma discussão constante sobre como aquela prática está interferindo no grupo e como aquilo afeta ou desafeta as pessoas”. A oficina tem custo mensal de R$ 80 ou de R$ 30 para encontros avulsos. A inscrição pode ser feita diretamente com o ministrante Max Antunes, pelo Facebook ou pelo telefone (55) 99905-2888.


Teatro de Animação
Outra atividade, promovida por Max Antunes no Centro Terapêutico Gaya, é o Núcleo de Experimentação em Teatro de Animação. O início está marcado para o dia 23 deste mês e deve acontecer quinzenalmente, nas sextas-feiras, das 14h às 17h. Essa proposta busca reunir pessoas interessadas em experimentar formas diferentes de teatro de animação (como, por exemplo, o teatro de bonecos e de miniaturas, marionete de fio, bonecos de sombra e de vara e teatro lambe-lambe). “Junto a todas essas propostas, trabalharemos também com figurino, manipulação e intertextualidade cênica. É uma proposta de aprendizagem coletiva”, esclarece.


De acordo com o ministrante, o Núcleo tem como base um projeto de educação inspirado na ideia de que o adulto se reconecte com sua própria criança interior e deixe-a livre para aprender. “Nessa oficina vai ter muito disso, de o adulto se perceber em conexão com sua criança interior e deixar ela influir na sua criação, na sua experimentação”. A intenção é de que, até o fim do ano, o núcleo possa criar um espetáculo. O valor da mensalidade é de R$ 60.


Contação de histórias
Uma terceira atividade, também no Centro Terapêutico Gaya e promovida por Max Antunes em parceria com a artista visual Ani Daltoé, é a Oficina de Contação de Histórias para Guardiões de Pequenos Mestres. Ela inicia no dia 2 de abril e tem duração de quatro encontros – programados para os dias 2, 9, 16 e 23 de abril, das 19h30min às 21h30min. A oficina é direcionada àqueles que estão em contato com o público infantil, sejam pais, responsáveis ou professores, com a proposta de resgatar a tradição das histórias contadas oralmente. Crianças de até 10 anos são bem-vindas a participar. O valor total para participação é de R$ 120.

Gostou? Compartilhe