O espetáculo do último eclipse lunar do ano

Na data em que se comemora os 50 anos da chegada do homem à Lua, eclipse parcial foi observado em diversos continentes

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Se há 50 anos o homem se lançou à Lua através do voo especial tripulado norte-americano Apollo 11, no mesmo 16 de julho em que os astronautas Neil Armstrong e Buzz Aldrin colocaram os pés na superfície lunar pela primeira vez, porém em 2019, os olhos se voltaram ao céu novamente para observar o último eclipse lunar do ano.

O fenômeno astronômico parcial foi contemplado por moradores dos estados brasileiros e de algumas províncias argentinas e chilenas. Na África, Europa, Ásia e Oceania também houve registro de visibilidade do eclipse lunar, no entardecer de terça-feira. Por cerca de 1 minuto e 52 segundos, o satélite natural se cobriu pela penumbra projetada pela sombra da Terra, durante o alinhamento dos astros, como explica o físico e professor da Universidade de Passo Fundo (UPF), Alisson Cristian Giacomelli. “O eclipse é observável com mais ou menos intensidade por diversos fatores atmosféricos e conforme a posição em que se encontram a Lua, a Terra e o Sol durante o fenômeno. A poluição também interfere no índice de visibilidade que temos”, menciona.

Último eclipse lunar do ano, desta vez, o astro iluminado não adquiriu tons avermelhados como aconteceu no primeiro fenômeno, em 21 de janeiro, com a “Lua de Sangue”. “Como não é eclipse total, mas parcial, a Lua está passando pelo cone de sombra terrestre e depende muito da posição em relação ao Sol”, esclarece Giacomelli.

Visível a olho nu, os eclipses lunares não necessitam, segundo o físico, de uma proteção especial para a observação. As precauções, porém, são indispensáveis quando ocorre os eclipses solares. “A radiação, nos eclipses das Lua, é de baixa intensidade. Já no Solar é perigoso olhar sem algum filtro especial porque há concentração maior de radiação que pode causar danos irreversíveis no organismo”, alerta.

Fenômenos astronômicos em ano de marcos científicos

O eclipse lunar parcial foi observado na mesma data em que a comunidade científica internacional vibrou com a chegada do homem à Lua, em 1969. Além da celebração cinquentenária da missão espacial Apollo 11, o ano de 2019 também é simbólico pelo centenário de comprovação da Teoria da Relatividade Geral, elaborada pelo físico teórico alemão Albert Einstein. Há 100 anos, duas expedições inglesas se lançaram para observar o fenômeno astronômico de eclipse total do Sol, em 1919. “Elas [as expedições] se desenvolveram na cidade de Sobral, no Ceará, e na África”, especifica o professor de Física da UPF, Alisson Cristian Giacomelli. A partir do bloqueio do brilho solar, se tornou possível observar os demais astros próximos ao Sol, cujos raios atravessariam o espaço-tempo distorcido pela gravidade, conforme Einstein havia sugerido em tese.

E o terraplanismo com isso?

De acordo com uma pesquisa divulgada pelo Instituto DataFolha, no início do mês de julho, 7% da população brasileira acredita que o formato da Terra é plano. Em linhas gerais, 11 milhões brasileiros alimentam a crença que contraria os estudos milenares que apontam a esferidade terrestre. Giacomelli atesta que, caso viável, a teoria terraplanista não conseguiria, por exemplo, explicar o fenômeno astronômico observado nesta semana. “A gente considera que há uma órbita e é difícil conceber a órbita em um formato plano. As pessoas que não tem conhecimento científico acredita”, avalia.

 

 

Gostou? Compartilhe