Para evitar mortes nas estradas, Diza Gonzaga pede que motoristas sejam "fiscais da vida"

Operação Viagem Segura irá fiscalizar rodovias durante as 24 horas do dia 1º de maio

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O feriado do Dia do Trabalho, na quarta-feira (1º/5), terá atenção das autoridades de trânsito durante a 102ª edição da Operação Viagem Segura. DetranRS, Brigada Militar e Comando Rodoviário da BM (CRBM), Polícia Rodoviária Federal (PRF) e órgãos de trânsito municipais estarão mobilizados durante as 24 horas do dia 1º de maio para a redução do número de acidentes.

No ano passado, foram cinco os dias de feriadão, com registro de 37 vítimas fatais, considerando-se as que morreram em até 30 dias após o acidente (média de 7,4 vítimas fatais/dia). Em 2017, em quatro dias, morreram 24 pessoas (média de seis vítimas fatais/dia).

Análise realizada pelo DetranRS mostra que, nos feriados do Dia do Trabalho entre 2007 e 2018, ocorreram 303 acidentes fatais no RS, que resultaram em 337 mortes – uma morte a cada três horas e 21 minutos.

 

A média geral é de 7,17 vítimas fatais/dia, sendo que os dias intermediários do feriado registraram maior número de mortes. Quase 60% desses óbitos ocorreram em rodovias.

 

Nas federais, as BR-116 e BR-290 tiveram mais vítimas fatais, 20 e 17, respectivamente. Nas rodoviais estaduais, as mais violentas foram as RS-122 (com 13 mortes) e 324 (com dez).

 

Para a diretora institucional do DetranRS, Diza Gonzaga, "a redução dos índices de acidentes passa também pela conscientização genuína dos motoristas, além da fiscalização de trânsito". A diretora acrescenta que "os dados estatísticos de acidentes representam impactos severos em vidas e em famílias – daí a importância de os motoristas e demais ocupantes do veículo atuarem como "fiscais da vida", para que o feriado seja tranquilo nas estradas. 

Gostou? Compartilhe