Programação alerta sobre a violência contra a mulher

Passo Fundo fechou 2019 na quarta posição com maior número de feminicídios no RS

Por
· 3 min de leitura
Crédito:

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O Dia Internacional das Mulher, celebrado neste domingo (08/03), foi oficialmente reconhecido pelas Nações Unidas em 1977 e desde seu princípio tem o objetivo de apoiar e divulgar os direitos das mulheres. Em Passo Fundo, diversas entidades realizam ao longo do mês, ações conscientizadoras sobre a violência contra a mulher. A cidade mantém números elevados de crimes contra a mulher, totalizando 1,266 registros em 2019.
Em 2020 os números se mantêm estáveis em comparação com janeiro dos dois últimos anos. Foram 61 casos de lesão corporal e 70 de ameaças no primeiro mês do ano. “Em Passo Fundo, são registrados cerca de 200 boletins de ocorrências por mês relacionados à violência doméstica, número semelhante ao do ano passado. A diferença é um incremento de crimes mais graves, como tentativa de feminicídio”, relata a delegada responsável pela Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (DEAM) de Passo Fundo, Rafaela Bier. Em janeiro deste ano ocorreram duas tentativas de feminicídio na cidade.

Números preocupantes


Levando em conta a população, a cidade figura em posições elevadas nos números de crimes registrados em comparação com outros município do Rio Grande do Sul. Em 2019, Passo Fundo foi a 4ª cidade com mais feminicídios consumados, junto com com Bento Gonçalves, Pelotas e Uruguaiana, com três crimes. O município também foi a quinta cidade com maior número de ameaças (820) e teve 396 casos de lesão corporal, tornando-se a 6ª cidade com maior número desse tipo de crime.

A análise das estatísticas, no entanto, deve levar em conta um fator importante: a subnotificação desses casos, que ocorre por diversas causas. “Normalmente as mulheres não procuram as autoridades públicas por medo, vergonha, dependência financeira, porque não querem ver o pai dos filhos preso, porque acreditam que o agressor vais mudar (evidente ciclo da violência)”, explica a delegada. O ciclo da violência consiste em três fases, de acordo com Instituto Maria da Penha.
O aumento, portanto, também mostra que as mulheres estão procurando denunciar os agressores. “Consigo perceber que hoje as mulheres estão melhor instruídas quanto aos seus direitos e inconformadas com condutas machistas/sexistas. Acredito que o aumento de registros evidencia que hoje as mulheres sentem-se mais empoderadas para buscarem a Delegacia e solicitar as medidas protetivas de urgência”, afirma Rafaela.


Causas
“A principal causa para a violência doméstica e familiar é dificuldade do agressor de lidar com a rejeição, quando a vítima não deseja mais manter o relacionamento, bem como por motivos de ciúmes/posse”, explica a delegada. Algumas frases indicadas por Rafaela podem revelar esse sentimento de propriedade sobre a mulher:

"Se você não for minha, não será de mais ninguém."
"Com quem está falando? É homem?"
"Essa roupa está muito curta."

O abuso de substâncias entorpecentes e álcool também é indicado como fator que contribui para a ocorrência da violência doméstica e familiar, segundo a delegada.

Denúncia
A orientação para mulheres que sofrerem violência é procurar a Polícia. “Seja para uma orientação e acolhimento, seja para a feitura de todo o procedimento policial na busca da verdade dos fatos, afastamento e punição do agressor”, diz Rafaela. A Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (DEAM) de Passo Fundo está localizada na Rua Gen Nascimento Vargas nº153. O telefone da delegacia é 3581-0725. As denúncias também podem ser feitas pelo número 180 e, em casos de emergência, pelo 190.

Programação do final de semana

7 de março
Pedágio da APACE
Horário: 8h
Local: Praça do Teixeirinha

Mulheres e Agroecologia: a Arte do Encontro
Debate sobre mulheres, saúde, maternidade e agroecologia
Horário: das 8h30 às 9h e das 10 às 10h30
Local: Avenida Brasil - em frente ao Colégio Estadual Joaquim Fagundes dos Reis

Festivas Lugar de Mulher
Horário: 14h
Local: Parque da Gare

8 de março
Caminhada só para Elas
Promoção: Academia de Espaço Ativo e Patrulha Maria da Penha
Horário: 8h
Local: Saída na Praça Santa Terezinha

Marcha Unificada
Horário: 16h
Local: Praça Teixeirinha

Feira do Artesanato
Horário: 8 de março, das 17h às 20h
Local: área externa da Galeria Estação da Arte

Desfile de Arte e Moda
Horário: 8 de março, às 17h30
Local: Galeria Estação da Arte

Gostou? Compartilhe