Uma alternativa inédita para o lixo

Por
· 4 min de leitura
Crédito:

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Para destinar os cerca de 200 mil quilos de lixo produzidos diariamente em Passo Fundo, aos aterros sanitários de Minas do Leão, região central do estado, a prefeitura desembolsa mensalmente cerca de R$ 500 mil. Somado ao valor que o município deixa de arrecadar com a venda dos resíduos devidamente separados, em torno de R$ 693,8 mil, o desperdício sobe  para R$ 1, 1 milhão, nos mesmos 30 dias.

 

Os números integram dois estudos gravimétricos realizados pelo químico, mestre em engenharia – Área e Concentração: Tecnologia Mineral, Ambiental, Metalurgia Extrativa,  e professor da rede pública, Rudimar Pedro. Além do levantamento minucioso, avaliando todo o processo, desde o momento em que os resíduos sólidos são depositados nos contêineres, até a chegada na Usina de Reciclagem, passando pela separação,  Rudimar dá um passo adiante. Ele  apresenta uma alternativa inédita no Rio Grande do Sul para aproveitamento de 100% do lixo produzido pelos passo-fundenses.

 

Denominado de Gestão pública dos resíduos sólidos urbanos de Passo Fundo – usina de reciclagem e compostagem, o projeto prevê ampliação de vagas de trabalho e um investimento em equipamentos que gira em torno de R$ 6 a R$ 7 milhões.

 

Seguindo os critérios determinados pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), NBR 10004, que trata dos resíduos sólidos, nos dois estudos gravimétricos, um elaborado em 2014 e outro em 2016, Rudimar separou os resíduos em três itens: recicláveis, orgânicos e inertes/perdas. Logo em seguida, desmembrou cada um deles dentro de seus respectivos grupos para identificar o volume que representam no montante do lixo produzidos diariamente em Passo Fundo. Com base nos preços praticados pelo mercado no período do estudo, ele somou o valor por quilo de cada item, e constatou que o desperdício mensal em razão da falta de separação dos resíduos é de R$ 693,8 mil.

 

“A gestão dos resíduos sólidos em Passo Fundo é um problema antigo. Principalmente pela falta de continuidade dos setores competentes, por priorizarem a resolução mais fácil e não a definitiva, com destinação e transformação dos resíduos. O problema foi se cronificando e se tornando aparentemente insolúvel. O lixo é uma fonte de recursos que pode gerar  emprego e renda para dezenas de pessoas” observa Rudimar.

 

 

Usina

Para dar conta da separação de 200 toneladas/dias, o professor elaborou um escopo sobre a estrutura da usina de resíduos sólidos urbanos. Ele descreveu passo a passo, como deve ser montado o sistema e quais equipamentos necessários para a destinação correta dos mais variados resíduos, como papelão, plásticos, vidros, eletrônicos e metais.

 

“Atualmente temos na Usina de Reciclagem uma área de transbordo. De todo o lixo depositado lá, apenas 3% é separado. Numa estimativa bastante otimista, podemos dizer que apenas 30% dos resíduos são separados. Boa parte  pelos catadores e que são levados diretamente para os galpões de reciclagem nos bairros da cidade. O restante segue para  Minas do Leão. Com a implementação deste projeto, alcançaríamos os 100%” avalia.

 

O novo modelo prevê entre 50 a 60 vagas de trabalho, durante um turno. A estimativa dos custos operacionais, incluindo salários, encargos trabalhistas, energia, e manutenção dos equipamentos ficou em torno de R$ 166,5 mil.

 

Durante a elaboração do estudo, Rudimar chegou a avaliar como alternativa, a possibilidade da construção de uma usina para geração de gás a partir do lixo, mas constatou a inviabilidade, principalmente em razão dos altos custos, cerca de R$ 30 milhões,  por não ser uma produção de energia limpa, e também pela baixa capacidade de energia gerada.

 

Por outro lado, entre as  vantagens do modelo proposto, o professor  aponta os custos reduzidos para aquisição de equipamentos como, carregador hidráulico, moegas, esteiras, prensas e peneiras,  que podem ser produzidos na região de Passo Fundo, com exceção do moinho triturador. O fato da área da atual  usina ter as dimensões necessárias para o projeto (cerca de dois hectares), disposição de um fosso de concreto com capacidade para receber simultaneamente seis cargas de resíduos, ampliação das vagas de trabalho, e uma economia de aproximadamente R$ 1,1 milhão aos cofres públicos. “A ideia é indestrutível. Pode se discutir detalhe do projeto, mas a ideia como um todo não” defende o professor.

 

Como funciona o sistema

Para dar a destinação correta dos resíduos sólidos, com zero de desperdício, cada item (recicláveis, orgânicos e inertes/perdas) segue um roteiro dentro da usina, passando pelas máquinas apropriadas para determinado tipo de produto.

- Fosso de concreto recebe os resíduos sólidos.

- Logo em seguida o material é transportado por carregadores hidráulicos (tipo pólipo)  para a triagem em duas moegas metálicas

- Na sequência, os resíduos são distribuídos de forma ordenada por dois transportadores mecânicos (espécie de esteira)

- O sistema de triagem é feito manualmente por quatro pessoas em duas esteiras de separação

 

Papel/ plástico/pet

Após a separação, o material é levado para as prensas. A prensa hidráulica vertical recebe papel, papelão, plástico fino e pet. Cada fardo pesa 150 quilos.

 

Latas/alumínios

A prensa hidráulica horizontal será responsável pelo enfardamento de latas e alumínios.

 

Vidros

Os vidros são separados por cores e levados para um dos moinho triturador.

Todos os  resíduos orgânicos são submetidos a trituração. De lá, passam pelo transportador mecânico e são depositados nas caçambas metálicas. 

Na sequência, passam pela peneira rotativa cilíndrica para mais uma seleção.

 

 

Material orgânico

O material orgânico que sobrar será levado para  o campo das leiras de compostagem. Num prazo  de 30 dias, dependendo do processo, a matéria orgânica poderá ser utilizada para adubação, destinada para projetos sociais, como agricultura familiar entre outros. 

 

 

Linha-branca

Produtos da chamada linha-branca, serão destinados ao moinho triturador multi função. Considerado o equipamento mais caro, ele tem condições de eliminar  geladeira, fogão, restos de motor, além de móveis, madeira grossa, metais, sofás, guarda-roupas e pneus. 

Gostou? Compartilhe